Justiça determina pagamento do seguro-defeso a catadores de caranguejo no Pará

Pagamento deverá retroagir a julho de 2013.

A Justiça Federal determinou à União que faça o pagamento proporcional do seguro-desemprego aos catadores de caranguejo que exerçam suas atividades de forma artesanal, individualmente ou em regime de economia familiar, durante todo o período de defeso no Pará. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (26), pelo Ministério Público Federal, que propôs a ação.

De acordo com a sentença, assinada no dia 9 de fevereiro pelo juiz federal Henrique Jorge Dantas da Cruz, o pagamento do benefício deverá retroagir a 2 de julho de 2013, data em que o Ministério Público Federal (MPF) ajuizou a ação.

Para receberem o benefício, os catadores devem preencher requisitos específicos para a habilitação ao seguro-defeso previstos na Lei nº 10.779, de 2003.

A responsabilidade pelo cadastramento dos catadores de caranguejo é do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), cabendo a cada catador organizar a documentação para posterior habilitação.

Na ação, o MPF informou que, após a realização do I Seminário das Comunidades Extrativistas dos municípios de Primavera, Quatipuru, São João de Pirabas e Salinópolis, ficou evidente a falta de amparo aos catadores de caranguejo na época do período defeso. Informou, ainda, que os trabalhadores, apesar de proibidos de exercer sua atividade no período de defeso, não recebem seguro-desemprego durante o período reprodutivo.

O MPF acrescentou também que enviou diversos ofícios à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Pará, com questionamentos acerca do pagamento de seguro-desemprego, mas não obteve êxito.

Citada no processo, a União alegou que a categoria dos catadores de caranguejo não é beneficiária do seguro-defeso porque não existe previsão legal e o período em que estão proibidos de trabalhar é inferior a 30 dias, conforme dispõe a Resolução 468, de 21 de dezembro de 2005, do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat).

O INSS, por sua vez, argumentou que a realidade dos pescadores é distinta dos catadores de caranguejo, já que o período de defeso dos pescadores se estende por 120 dias corridos, enquanto o dos catadores se limita a dois períodos de seis dias, durante três meses por ano (janeiro, fevereiro e março). Portanto, sendo período inferior a 15 dias, os trabalhadores, segundo o INSS, não teriam direito ao seguro-defeso.

Fonte: G1

Deixe um comentário