Ministros do Caribe buscam cooperação em programas para agricultura familiar

Ministros e vice-ministros de agricultura de 11 países do Caribe vêm ao Brasil na próxima semana para conhecer os programas brasileiros para a agricultura familiar e sua relação com a segurança alimentar e nutricional da população mais vulnerável. A missão será liderada pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (Iica), na segunda (12) e na terça-feira (13), em Brasília.

De acordo com o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério de Desenvolvimento Social (MDS), Caio Rocha, esses países têm um desenvolvimento insuficiente na agricultura e precisam adquirir cerca de US$ 100 bilhões em produtos básicos, que buscam fora da América Latina. Entre os principais produtos estão carnes, arroz e frutas. “E nós temos servido de exemplo na questão da segurança alimentar.”, disse.

Rocha citou como exemplo o programa de compras institucionais, da agricultura familiar e de pequenas cooperativas, que chegou, nos últimos dois anos, a R$ 160 milhões; e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), que oferece alimentação escolar e ações de educação alimentar e nutricional a estudantes de todas as etapas da educação básica pública.

Outro programa brasileiro fundamental, na opinião de Rocha, é o de acesso à água. “O Caribe tem uma deficiência de água muito grande. E nós temos o programa de acesso à água, através de diversos sistemas de captação da água das chuvas. É uma tecnologia barata”, afirmou. “Um outro ponto importante para o Caribe é a questão da alimentação saudável. E o Brasil tem políticas importantes de combate à desnutrição e de combate à obesidade”, disse Rocha, que vai apresentar todas essas políticas públicas adotadas pelo Brasil para a agricultura familiar e sua relação com a segurança alimentar e nutricional.

A visita dos ministros visa facilitar o acesso a tecnologias de produção e metodologias de diversificação do comércio de nações que são vulneráveis em questões de segurança alimentar e de efeitos da mudança climática. “Isso tudo está inserido no processo. Quando falamos em segurança alimentar, se fala de todo um programa que se faz também de proteção ambiental. A assistência técnica está interligada”, explicou.

Os países que integrarão a missão caribenha são: Antígua e Barbuda, Dominica, São Cristóvão e Nevis, São Vicente e Granadinas, Santa Lúcia, Bahamas, Guiana, Haiti, Jamaica, República Dominicana e Suriname. Também serão parte da missão representantes da Comunidade do Caribe (Caricom), da Organização dos Estados do Caribe Oriental (OECS) e do Instituto Caribenho de Pesquisa e Desenvolvimento da Agricultura (Cardi).

Eles serão recepcionados pelos ministros brasileiros de Desenvolvimento Social, Osmar Terra, e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi; e também pelo presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Maurício Antônio Lopes.

Na terça-feira, os ministros e representantes caribenhos visitarão, em uma unidade da Embrapa, uma câmara de simulação climática para a produção de hortaliças com diferentes condições ambientais e uma estação de produção de fertilizante orgânico.

As autoridades também irão visitar a Central de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa), onde vão conhecer o programa de aquisição de alimentos, uma política pública para a compra, distribuição e comercialização de produtos agropecuários da agricultura familiar. Os ministros caribenhos devem se reunir também com líderes da bancada parlamentar do agronegócio.

Por: Andreia Verdélio
Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Maria Claudia

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*