Povos indígenas da Amazônia caçam animais que se alimentam em áreas contaminadas com hidrocarbonetos e metais pesados

Um estudo da ICTA-UAB e do Departamento de Saúde Animal e Anatomia da UAB demonstra que as principais espécies caçadas pelas populações indígenas da Amazônia peruana ingerem água e solo contaminados com hidrocarbonetos e metais pesados.

O projeto criou uma plataforma de ciência cidadã na qual os cidadãos podem visualizar vídeos gravados em áreas contaminadas da Amazônia para poderem reconhecer as espécies afetadas e seus comportamentos.

Os animais selvagens caçados pelos indígenas da floresta amazônica bebem água e comem solo contaminado pela indústria de extração de petróleo, de acordo com uma pesquisa do Instituto de Ciência e Tecnologia do Meio Ambiente da Universitat Autònoma de Barcelona (ICTA-UAB) o Departamento de Saúde Animal e Anatomia da UAB, o Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal) e o Instituto Internacional de Estudos Sociais (ISS-EUR). A pesquisa, que pela primeira vez revela imagens de como os animais bebem água e comem solo (geofagia) contaminados por derramamentos de óleo ou diretamente pelos poços de petróleo, alertas sobre o risco que isto representa para a saúde das populações que caçam esses animais para alimentação .

A pesquisa, publicada em Pesquisa Ambiental, faz parte de um projeto científico mais amplo desenvolvido pela ICTA-UAB e liderado pelo Dr. Martí Orta-Martínez há mais de uma década, dedicado a analisar os níveis alarmantes de contaminação de petróleo existentes em áreas remotas de a Amazônia peruana perto da fronteira com o Equador. Em estudos anteriores, os cientistas demonstraram como as atividades de extração de petróleo realizadas nas últimas quatro décadas contaminaram, em geral, o solo e as nascentes dos rios, não só através de derrames acidentais, como também em grande parte pela descarga de águas produzidas extraídas juntamente com o petróleo . Estas águas produzidas contêm altas concentrações de sais e metais pesados, como chumbo, cádmio, cromo, bário e hidrocarbonetos. A contaminação, que afeta rios, sedimentos e solo, se espalha por 3,

A instalação de armadilhas de câmeras permitiu a gravação de imagens de principalmente quatro espécies selvagens (tapires, pacas, pecaris e veados vermelhos), as espécies mais importantes na dieta das comunidades indígenas da região, representando entre 47% e 67% de sua carne total consumo. Esses mamíferos, residentes de um ecossistema pobre em sal, como é a Amazônia, geralmente complementam suas dietas com minerais de superfície comendo o solo. No entanto, eles já foram vistos perto dos locais de extração de petróleo, atraídos pela alta salinidade da água produzida. O mesmo comportamento também foi observado entre espécies ameaçadas de extinção.

A descoberta pode estar relacionada aos altos níveis de chumbo e cadmio detectados no sangue de 45 mil habitantes de cinco grupos étnicos indígenas da região. De acordo com o Ministério da Saúde do Peru, 98,6% e 66,2% das crianças indígenas da área superaram todos os limites aceitáveis ??de cádmio e de chumbo em sangue, assim como 99,2% e 79,2% dos adultos.

As autoridades peruanas declararam esta área da floresta amazônica uma emergência ambiental em 2013 e uma emergência de saúde em 2014, mas ainda não existem registros locais de morbidade ou mortalidade. No entanto, os cientistas recordam às autoridades que “esses compostos são neurotóxicos e cancerígenos”.

Projeto Participação Cidadã

Como parte do estudo, o ICTA-UAB e o Departamento de Saúde Animal e Anatomia da UAB lançaram um projeto de participação cidadã com base no reconhecimento colaborativo que visa identificar outras espécies possíveis que aparecem nas mais de 8 mil capturas de câmeras registradas na região de Loreto, Peru, durante aproximadamente 500 dias.

Através da criação de uma plataforma on-line interativa em cientistas ingleses e espanhóis, o objetivo é identificar todas as espécies amazônicas vistas como consumindo água e solo contaminados com petrolium, além de analisar seu comportamento. A plataforma “AmazonOil”, lançada graças ao financiamento da Fundação BBVA, inclui o apoio das associações indígenas FEDIQUEP, FECONACOR, OPIKAFPE e ACODECOSPAT da região. A versão final da plataforma de ciência do cidadão estará disponível a partir de 28 de março aqui.

Referência:

Orta-Martínez M., Rosell-Melé A., Cartró-Sabaté M., O’Callaghan-Gordo C., Moraleda-Cibrián N., Mayor P. “First evidences of Amazonian wildlife feeding on petroleum-contaminated soils: A new exposure route to petrogenic compounds?” Environmental Research. 2017

Por: Universitat Autònoma de Barcelona
Tradução: Tradução e a edição Henrique Cortez.
Fonte: EcoDebate

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*