Nível do Rio Araguari baixa após deixar 30 famílias desalojadas em Ferreira Gomes

Águas atingiram bairro Matadouro, na orla da cidade, mas Defesa Civil do Estado do Amapá segue em alerta para inundações no município e também em Porto Grande.

Defesa Civil do Amapá está em alerta com possibilidade de cheia no rio Araguari (Foto: Polícia Militar)
Defesa Civil do Amapá está em alerta com possibilidade de cheia no rio Araguari (Foto: Polícia Militar)

As águas do Rio Araguari subiram, invadiram a orla de Ferreira Gomes, a 137 quilômetros de Macapá, e deixaram pelo menos 30 famílias desalojadas no município entre sexta-feira (6) e sábado (7). O nível do rio baixou no domingo (8), mas a Defesa Civil do Estado do Amapá informou que segue em alerta para inundações na região.

“A gente está em situação de alerta lá. O bairro mais baixo, que é o Matadouro, já foi inundado. Quase todos os anos ele inunda. Tem umas casas lá que já até se preparam para esse tipo de situação”, falou o chefe de operações da Defesa Civil, major Pelsondré Martins.

Na manhã desta segunda-feira (9), o rio atingiu 2,3 metros, considerado nível normal. De acordo com o Corpo de Bombeiros, entre 150 e 200 pessoas estão desalojadas e muitas foram para casa de familiares. Foi ativado um abrigo pela defesa civil municipal.

Rio Araguariatingiu 2,3 metros, considerado nível normal, na manhã desta segunda-feira (9), (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Rio Araguariatingiu 2,3 metros, considerado nível normal, na manhã desta segunda-feira (9), (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

O alerta também é para os municípios de Porto Grande e Laranjal do Jari. Segundo o Corpo de Bombeiros, as hidrelétricas que atuam nessas regiões foram inclusas no plano de contingência para evitar inundações nas cidades.

“Eles têm uma manobra chamada de manobra de usina que chega um momento que eles precisam abrir as comportas. Essa vazão pode, sim, afetar como já afetou o nível do rio, podendo gerar uma enchente”, informou a capitã Ana Lobato, do Corpo de Bombeiros.

A Defesa Civil informou que não recebeu chamado para prestar apoio a famílias em Porto Grande e nem em Calçoene.

Previsão do tempo

O Núcleo de Hidrometeorologia e Energias Renováveis (NHMET), do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (Iepa), informou que a cheia do fim de semana pode ter sido causada por chuvas nas cabeceiras dos rios.

De acordo com o coordenador Jefferson Vilhena, podem ocorrer novas cheias, porém não tão intensas como as registradas em anos anteriores. A previsão aponta que as áreas a serem mais atingidas estão no litoral, onde já estão ocorrendo as chuvas.

“As chuvas estão se concentrando próximas às áreas litorâneas, esporadicamente estão indo para as zonas de cabeceira, como foi o caso desse final de semana. Os municípios que estão ocorrendo essas chuvas são Oiapoque, Calçoene, Amapá, Pracuúba, Tartarugalzinho, Cutias, Itaubal. Hora ou outra essas chuvas conseguem adentrar um pouco mais, atingindo Ferreira Gomes, Porto Grande. As chuvas estão diferentes dos últimos anos, porque estão ocorrendo muito localizadas e com intensidade grande”, citou Vilhena.

Fonte: G1

Deixe um comentário