Facções Comando Vermelho e FDN rompem aliança e aumentam disputa pelo tráfico na Amazônia

Uma traição entre líderes da FDN (Família do Norte) levou ao rompimento da aliança que a facção mantinha com o Comando Vermelho (CV) e está deixando um rastro de mortes nas ruas de Manaus.

A ruptura é monitorada pelos órgãos de inteligência do Exército, da Polícia Federal e da Polícia Civil do Amazonas. A preocupação é que o fim desse trato crie ainda mais tensão local já que, além dessas duas facções, a região ainda é disputada pelo PCC (Primeiro Comando da Capital).

Gelson Carnaúba é apontado como homem do Comando Vermelho no Amazonas
Gelson Carnaúba é apontado como homem do Comando Vermelho no Amazonas

A FDN é uma facção criminosa surgida no Amazonas e que domina a rota do tráfico de cocaína e maconha produzidas no Peru e na Colômbia e transportadas pelos rios da Amazônia, sobretudo pelo rio Solimões. Investigações conduzidas pela Polícia Federal indicam que a FDN e o Comando Vermelho mantinham uma aliança desde 2015. A parceria foi uma das maneiras encontradas pelas duas facções para se protegerem do avanço do paulista PCC na região.

De acordo com o delegado titular do DRCO (Delegacia de Repressão ao Crime Organizado) da Polícia Civil amazonense, Guilherme Torres, o rompimento da aliança entre a FDN e o Comando Vermelho aconteceu depois que líderes da facção amazonense descobriram um plano de “traição” supostamente arquitetado pelo ex-integrante da FDN Gelson Carnaúba, conhecido como Mano G.

Carnaúba era um dos três principais líderes da FDN, juntamente com José Roberto Fernandes Barbosa, o Zé Roberto da Compensa, e João Pinto Carioca, o João Branco. Segundo investigações da Polícia Federal, foi Carnaúba quem firmou a aliança entre a FDN e o Comando Vermelho durante sua passagem pela penitenciária federal de Campo Grande (MS).

“Quando eles descobriram o plano, expulsaram o Gelson. Como ele já tinha ligações fortes com o Comando Vermelho desde os tempos em que estava em Campo Grande, agora, ele é o homem do CV no Amazonas”, afirmou o delegado.

Atualmente, João Branco e Gelson Carnaúba estão presos na penitenciária federal de Catanduvas (PR), e Zé Roberto, na de Campo Grande.

Em jogo: cargas e acesso a cocaína do Peru e da Colômbia

Até o rompimento entre FDN e Comando Vermelho, a “geopolítica” do tráfico na Amazônia era relativamente simples. Juntas, FDN e Comando Vermelho dominavam o acesso à cocaína produzida no Peru e na Colômbia e escoavam a droga pelo rio Solimões.

A ameaça a essa hegemonia vinha do PCC, que já domina presídios em estados vizinhos, como Roraima e Acre, e que vem, nos últimos anos, tentando ampliar sua presença no Amazonas. Investigações indicam que foi a FDN que ordenou o massacre que resultou na morte de pelo 56 pessoas em um presídio amazonense em janeiro de 2017. 
Presos da FDN posam com armas. Foto: Reprodução

Agora, a rota do Solimões está sendo disputada pelas três facções: FDN, Comando Vermelho e PCC.

Nos últimos anos, o tráfico pelo Solimões ganhou ainda mais importância. Em 2016, o PCC assumiu o controle da chamada “rota caipira” da cocaína e da maconha. Por essa rota, a droga produzida na Bolívia e no Paraguai passa pelos estados de Mato Grosso do Sul e pelo interior de São Paulo.

Esse acesso era compartilhado pelo PCC e pelo Comando Vermelho, mas a facção paulista passou a controlar a rota sozinha depois do assassinato do traficante Jorge Rafaat. Isso fez com que o CV voltasse suas atenções para a cocaína produzida no Peru e na Colômbia.

Uma fonte ouvida pela reportagem sob a condição de anonimato e que tem fortes ligações com as investigações sobre o conflito entre as três facções disse que, para o Comando Vermelho, ter controle sobre a rota do Solimões é fundamental, porque o acesso à cocaína boliviana está bloqueado.

Essa mesma fonte afirmou que tanto os serviços de inteligência da Polícia Federal quanto as Forças Armadas (que têm forte presença na fronteira do Brasil com a Colômbia e o Peru) estão acompanhando os desdobramentos do conflito.

Rastro de mortes nas ruas de Manaus

O que as autoridades locais mais temem é que a ruptura entre a FDN e o Comando Vermelho possa aumentar ainda mais os conflitos relacionados ao tráfico de drogas na região.

Guilherme Torres afirma que a maior parte dos homicídios que estão sendo registrados nos últimos meses nos bairros do Mutirão, zona norte de Manaus, e na região do Igarapé do 40, na zona sul, são decorrentes do conflito por pontos de drogas entre o CV e a FDN.

“Essas são áreas em que as duas facções mais tem entrado em conflito. Nós temos registrado pelo menos um homicídio nesses bairros por dia”, afirmou o delegado.

No último sábado (12), 35 presos conseguiram fugir de um centro de detenção provisória de Manaus usando um túnel. Fontes ouvidas pela reportagem indicam que a maioria deles é formada por detentos vinculados ao Comando Vermelho. O temor, segundo essas fontes, é que, em liberdade, esses presos possam atuar nos conflitos entre o CV e a FDN.

Por: Leandro Prazeres
Fonte: UOL

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.