Movimento indígena pretende lançar plataforma de candidaturas para as eleições

Estimativa preliminar da Apib aponta pelo menos 36 candidatos para assembleias estaduais e Congresso

Uma plataforma que pretende dar visibilidade às pré-candidaturas indígenas deve ser lançada, em maio, pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), segundo sua coordenação. O site vem sendo construído colaborativamente, desde o final de 2017, visa apoiar os indígenas que se candidatem em todo o país. A Apib fez uma estimativa preliminar de 36 candidaturas a deputado estadual e federal e senador (leia mais).

Serão divulgadas e apoiadas candidaturas comprometidas com o movimento indígena e capazes de viabilizam políticas que assegurem os bandeiras prioritárias da articulação. “Tem partido que não permite colocar nossos direitos nessa conjuntura. São inimigos nossos. Nunca estiveram e não vão estar do nosso lado”, diz Valéria Paye, da coordenação da Apib.

Num contexto em que seus direitos constitucionais são ameaçados pelos três poderes, os indígenas pretendem assumir o protagonismo político e lutar para incluir nos espaços de decisão pautas de seu interesse. A defesa do direito à diferença, à terra, ao “bem viver” e à gestão sustentável de seus territórios são os principais temas que estarão na plataforma.

Ontem (26), a ideia foi apresentada num plenária do Acampamento Terra Livre 2018, quando 21 pré-candidatos indígenas às eleições apresentaram-se e falaram de suas propostas. A mobilização começou na segunda e terminou hoje (27/4), no Memorial dos Povos Indígenas, em Brasília.

“As candidaturas não são pela busca do prestígio, e sim para conseguir igualdade de oportunidades para decidir sobre as vidas indígenas, para discutir e decidir o que é melhor para o povo”, diz Sônia Bone Guajajara, pré-candidata à Vice-Presidência pelo PSOL.

Dinamam Tuxá, da coordenação da Apib, vê a representatividade na política como um dos pilares para inverter a lógica de opressão contra os povos indígenas no Brasil: “Chegaram com truculência, violência e extermínio. Agora cabe a nós, nesse momento, descolonizar. E, para descolonizar, precisamos eleger os nosso deputados, porque a colonização é orquestrada e comandada pelo Congresso Nacional, pela Presidência da República, que está assumindo o papel fundamental de condução do extermínio de povos indígenas no Brasil.”

Fonte: Mobilização Nacional Indígena

Deixe um comentário