Declínios populacionais de mamíferos e aves são ligados ao rápido aquecimento do clima

A taxa em que o nosso planeta está aquecendo é um fator crítico para explicar o declínio de espécies de aves e mamíferos, revela uma nova pesquisa publicada na revista Global Change Biology pelo Institute of Zoology (Zoological Society of London).

Os cientistas estudaram 987 populações de 481 espécies em todo o mundo, para investigar como a taxa de mudança climática e mudança no uso da terra (de paisagens naturais a dominadas por humanos) interagem para afetar a taxa de declínio de mamíferos e aves, bem como se espécies localizado em áreas protegidas e tamanho do corpo teve uma influência. A taxa em que nosso clima está aquecendo foi a melhor explicação para a taxa observada de declínio populacional.

As aves foram as mais afetadas pelo rápido aquecimento climático, com os efeitos sendo duas vezes mais fortes nas aves em relação aos mamíferos, assim como as populações localizadas fora das áreas protegidas sendo mais severamente afetadas. Espécies como o maçarico-de-cauda-preta (Limosa limosa) na Alemanha e Senegal, gansos-de-peito-rosa no Canadá (Anser brachyrhynchus) e chacal-de-dorso-preto (Canis mesomelas) na Tanzânia foram apenas algumas das espécies destacadas em declínio populacional.

A principal autora, Fiona Spooner, do Instituto de Zoologia e do Centro de Pesquisas sobre Biodiversidade e Meio Ambiente da UCL, disse: “A razão pela qual achamos que as aves estão em pior situação é devido às estações de reprodução particularmente sensíveis às mudanças de temperatura. Achamos que isso poderia estar levando a uma dessincronização de seu ciclo de reprodução, levando aos impactos negativos que estamos vendo. As estações de reprodução dos mamíferos são muito mais flexíveis, e isso se reflete nos dados. ”

Esta descoberta é crucial, porque se a taxa em que o clima aquece excede a taxa máxima possível de animais sendo capazes de se adaptar às mudanças em seu ambiente – as extinções locais de animais começarão a se tornar mais proeminentes. A pesquisa enfatiza a urgência de entender a vulnerabilidade dos animais aos aumentos de temperatura e fornece uma imagem do que pode acontecer se não reduzirmos as mudanças climáticas.

Co-autor sênior, Dr. Robin Freeman chefe da Unidade de Indicadores e Avaliação do Instituto de Zoologia da ZSL disse: “Nossa pesquisa mostra que em áreas onde a taxa de aquecimento climático é pior, nós vemos uma queda mais rápida da população de aves e mamíferos. A menos que possamos encontrar maneiras de reduzir o aquecimento futuro, podemos esperar que esses declínios sejam muito piores ”.

“É importante ressaltar que nossa descoberta não sugere que as mudanças no uso da terra, como agricultura, desenvolvimento ou desmatamento, não desempenhem um papel no declínio de pássaros e mamíferos, ou porque o declínio está relacionado à mudança climática. Gerações futuras para lidar. Pelo contrário, essa descoberta sugere que dados adicionais, incluindo dados de paisagem com resolução mais alta, são necessários para entender os mecanismos que impulsionam esses declínios ”.

Gareth Redmond-King, chefe de Política Climática e Energia da WWF disse: “Este relatório fornece mais evidências da crescente ameaça que a mudança climática representa para a nossa vida selvagem, não apenas em todo o mundo, mas também aqui em nossas portas como as abelhas e papagaio muito amado.

“É por isso que precisamos urgentemente que o governo do Reino Unido tome medidas para cumprir as metas atuais de redução das emissões de gases do efeito estufa, mas também para aumentar a ambição de construir um futuro sustentável e resiliente ao clima, no qual restauremos a natureza”.

Para mais informações sobre o trabalho da Unidade de Indicadores e Avaliações da ZSL. O departamento publica o Relatório do Índice do Planeta Vivo em conjunto com o WWF a cada dois anos. Este documento fornece uma visão geral do empolgante trabalho que será publicado em outubro de 2018.

Os pontos mostram a distribuição e a densidade das séries temporais da população usadas na análise. Os pontos preto e branco significam populações de aves e mamíferos, respectivamente, onde ambos os grupos taxonômicos estão presentes, os números de cada um são proporcionalmente representados com um gráfico de pizza. 77,4% dos locais possuem uma população. A camada de base do mapa mostra a taxa de mudança de temperatura, em graus por ano, entre 1950 e 2005, com base na análise do conjunto de dados de séries temporais de CRU TS v. 3.23 (Harris et al., 2014)

Referência:

Spooner FEB, Pearson RG, Freeman R. Rapid warming is associated with population decline among terrestrial birds and mammals globally. Glob Change Biol. 2018;00:1–11.

Fonte: Institute of Zoology, Zoological Society of London/ EcoDebate
Tradução: Henrique Cortez

Deixe um comentário