Indígenas Parakanã interditam a rodovia Transamazônica

Grupo reivindica a retirada de invasores das terras indígenas Apyterewa. Bloqueio total ocorreu por volta de 4h no quilômetro 603 da BR-230.

Foto: Lilian Campelo/ Brasil de Fato

Um grupo de indígenas da etnia Parakanã interdita nesta sexta-feira (3) a rodovia BR-230, a Transamazônica, em Altamira, no sudoeste do Pará.  De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), entre as reivindicações está a retirada de invasores das terras Apyterewa.

O bloqueio total ocorreu por volta de 4h no quilômetro 603 da rodovia. Ainda não há previsão de liberação da pista. Agentes da PRF foram enviados para negociar com os manifestantes.

No início da semana, índios de dez aldeias procuraram a Justiça Federal em Altamira, sudoeste do Pará, para cobrar a retirada de invasores das terras Apyterewa. Eles denunciam que as áreas estariam sendo alvo de crimes ambientais.

A terra indígena abrange os municípios de Altamira e São Félix do Xingu. Segundo eles, madeireiros, fazendeiros e garimpeiros estariam nas terras há mais de dez anos praticando crimes ambientais, principalmente o desmatamento ilegal e o roubo de madeira.

O Ministério de Segurança informou em nota que a Força Nacional de Segurança Pública continua atuando na Terra Indígena Apyterewa, no município de São Félix do Xingu. A Operação Apyterewa promove a retirada de ocupantes não indígenas da terra, atendendo solicitação da Fundação Nacional do Índio (Funai). Ainda segundo a nota, a ação começou no dia 10 de janeiro de 2016 e é a segunda realizada pelas tropas federais em terras indígenas de São Félix do Xingu, que já havia atuado na área entre 2011 e 2013

Terra indígena

A Terra Indígena Apyterewa é território tradicional do povo Parakanã, homologado por decreto presidencial em 19 de abril de 2007, e integra o complexo de terras indígenas afetadas pela Usina Hidrelétrica de Belo Monte. A regularização fundiária, incluindo a retirada dos ocupantes não indígenas, é uma das condicionantes governamentais do processo de licenciamento ambiental do empreendimento.

Fonte: G1 PA

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.