Quem quer o petróleo bem longe dos Corais da Amazônia

De atores hollywoodianos a atletas, povos indígenas e cientistas renomados, as pessoas que disseram ‘não’ ao petróleo na bacia foz do Rio Amazonas são muitas. E a empresa Total está ignorando todas elas.

O que há em comum entre o ator Leonardo diCaprio, a surfista Maya Gabeira, a oceanógrafa Sylvia Earle e os povos indígenas Karipuna, no Amapá? O que os une a outras duas milhões de pessoas ao redor do mundo? Os Corais da Amazônia!

Todos eles já se posicionaram contra a exploração de petróleo na bacia da foz do Rio Amazonas, o local onde o rio Amazonas se mistura ao Oceano Atlântico. São nessas águas que está este recife único.

Banner humano na prais de Copacabana em defesa dos Corais da Amazônia.
Na praia de Copacabana, uma imagem de 100 metros de comprimento foi formada por mais de 500 pessoas em defesa dos Corais da Amazônia. © Fernanda Ligabue / Greenpeace

Mesmo que muita gente – anônima, conhecida ou renomada – já tenha se tornado um defensor dos Corais da Amazônia, a petrolífera francesa Total ainda não desistiu de seu plano ganancioso e absurdo: extrair petróleo do fundo do mar, perto de um ecossistema especial revelado ao mundo há pouco tempo. Após recusar a licença ambiental de exploração da empresa por quatro vezes, o Ibama está para anunciar sua posição nas próximas semanas.

Então, nós continuamos, juntos, pressionando a petrolífera e deixando claro quem está com a gente. Relembre alguns deles:

1. Povos indígenas

Cacique do povo Karipuna segura cartaz em defesa dos Corais da Amazônia.
Jacson Santos, cacique do povo Karipuna do Amapá. Seu povo foi um dos que assinaram uma carta dizendo ‘não’ ao petróleo na bacia da foz do Amazonas.

Em fevereiro, os povos indígenas Karipuna, Galibi Marworno, Galibi Kalinã/kali’na, Palikur e Wayana, do Brasil, do Suriname e da Guiana Francesa, se reuniram no município do Oiapoque (AP) para discutir como os modelos de desenvolvimento econômico de seus países ameaçam seus modos de vida e seus territórios. Eles citaram a intensa exploração de minérios, em especial o ouro na Guiana Francesa, e a busca pelo petróleo na bacia da foz do rio Amazonas, onde está o recife dos Corais da Amazônia.

O resultado do encontro foi uma carta em que deixam claro o “não aos mega projetos econômicos, como a montanha de ouro na Guiana Francesa, a expansão do garimpo em toda a região, a ofensiva contra a RENCA e o projeto de exploração petrolífera no litoral da Guiana Francesa e do Brasil.”

2. Gente do cinema

O ator Leonardo DiCaprio também apoia a defesa dos recifes dos Corais da Amazônia.

Quanto mais famosos ficam os Corais da Amazônia, mais pessoas famosas se tornam seus defensores. Leo diCaprio, por exemplo, já compartilhou as primeiras imagens que fizemos do recife em sua conta no Instagram. E compartilhou informação da campanha DUAS VEZES! \o/

O apoio em território francês ficou por conta do ator Lambert Wilson, que recentemente interpretou Jacques Cousteau no filme A Odisséia. Neste ano, ele conheceu a região do Oiapoque, fronteira com a Guiana Francesa, para entender mais sobre o povo que vive ali e que pode ser impactado no caso de um vazamento de petróleo. Ele também visitou nosso navio Esperanza, conversou com nossos ativistas e cientistas que estudam os Corais da Amazônia.

Ator francês Lambert Wilson segura câmera em entrevista no Oiapoque.
O ator francês Lambert Wilson, no centro, esteve no Oiapoque para conhecer as pessoas que podem ser afetadas caso um vazamento de petróleo aconteça na costa do Amapá. © Inara Chayamiti / Greenpeace

3. Gente do esporte

No Brasil, a surfista Maya Gabeira e a nadadora Joanna Maranhão vestiram a camisa para defender os Corais da Amazônia. Em maio, elas participaram de um evento no navio Esperanza junto aos voluntários do Greenpeace, e falaram sobre a importância de ser ativista e proteger o meio ambiente.

A surfista Maya Gabeira com camiseta em defesa dos Corais da Amazônia.
No ano passado, a surfista Maya Gabeira também participou da atividade em que 500 pessoas formaram um banner humano na praia de Copacabana (RJ) para defender os Corais da Amazônia. © Bárbara Veiga / Greenpeace

4. Quem estuda e ama os oceanos

Vários oceanógrafos, biólogos, ambientalistas e outros tantos especialistas que estudam e sabem bem a importância da proteção dos oceanos assinaram a Carta Aberta em Defesa dos Corais da Amazônia, no ano passado. Entre eles estão Sylvia Earle, a oceanógrafa mais importante do mundo, o brasileiro pesquisador do INPE e membro do IPCC Carlos Nobre, o economista indiano Pavan Sukhdev, e Ove Hoegh-Guldberg, diretor do Instituto de Mudanças Globais na Austrália e um dos responsáveis pelo documentário Chasing Corals. Durante nossa segunda expedição ao recife dos Corais da Amazônia, outro cientista de peso se uniu à campanha: o francês Serge Planes.

5. Youtubers

Até no Youtube os Corais da Amazônia ganharam defensores. Iberê Thenório e Mariana Fulfaro, do canal Manual do Mundo, e o Professor Jubilut também se uniram à campanha. Mari e Iberê passaram um dia no Esperanza para conhecer o navio, conversar com nossos ativistas e saber mais sobre como trabalhamos. Já o Professor Jubilut foi ao Oiapoque conhecer as comunidades que poderiam ser afetadas no caso de um vazamento em uma das plataformas da Total. O resultado disso tudo está aqui:

E aqui:

6. Gente do mundo todo

Ter mais do que 2 milhões de pessoas de 21 países reunidas em torno de uma única causa não é pouca coisa. É por isso que terminamos este texto agradecendo aos defensores e defensoras dos Corais da Amazônia que já assinaram a petição pedindo que a Total desista de seu plano de explorar petróleo perto do recife.

Pessoas sentadas na montagem do banner humano em defesa dos Corais da Amazônia.
Junte-se a mais de 2 milhões de pessoas na defesa dos Corais da Amazônia. © Bárbara Veiga / Greenpeace

Fonte: Greenpeace

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*