Saiba como a carne impulsiona devastação da floresta amazônica

Documentário e série de reportagens ensinam como a indústria da carne impulsiona a devastação da Amazônia

É verdade que o agronegócio apoia um candidato chegado aos “profissionais da violência”, mas é verdade parcial. Uma boa safra jornalística ajuda agora a conhecer quem são seus apoiadores, a banda BBC (boi, bala, correntão) dos proprietários rurais.

A outra banda ruralista, que mobiliza soja, cana e capital (financeiro, não o natural), atua de maneira mais discreta. Usa terno e gravata, paga propaganda soft do agro e deixa que pares mais truculentos falem grosso no Congresso, aprovando retrocessos nos quais também têm interesse.

Para entender melhor como pensam e agem os verdadeiros caubóis, comece pelo documentário “Sob a Pata do Boi”. O filme de Marcio Iseense e Sá e Eduardo Pegurier pode ser visto em várias plataformas digitais (links no final do texto).

Não se recomenda que a sessão ocorra num churrasco em família. Quem desprezar o conselho corre risco de desatar a falação do sobrinho vegetariano e deixar a picanha passar do ponto.

Por falar em picanha, os 48 minutos da película se abrem com o corte de fatias pingando sangue num rodízio. Noutra cena, antológica, a imagem se repete ao som de motosserras acompanhando a descida da faca.

A sonoplastia também foi cruel com o ex-ministro do Meio Ambiente Zeca Sarney (PV-MA), em cuja entrevista se ouvem mugidos pouco discretos. Sarney Filho aparece em gravações contraditórias, ora vangloriando-se por ação do Ibama contra frigoríficos, ora deplorando-a como inoportuna.

É a cara do agronegócio, pura ambivalência que o documentário se põe a evidenciar com foco concentrado na Amazônia. Pululam os fazendeiros e políticos que se consideram heróis alimentadores da humanidade ao mesmo tempo em que defendem o desmatamento.

Fato é que a floresta amazônica já perdeu quase 20% da metade do Brasil que cobria e que a maior parte disso virou pasto, em terras griladas e derrubadas ilegalmente. A região conta hoje 85 milhões de cabeças de gado, três para cada habitante humano.

Torna-se grande a chance, assim, de que o filé mignon comprado num supermercado de São Paulo venha de um boi que pastou em área desmatada. Para cortar esse vínculo, o Ministério Público firmou com uma centena de frigoríficos da região termo de ajuste de conduta –o TAC da Carne– que previa multas ao produto de pecuaristas com passivo ambiental.

Com o filme pronto, conta Pegurier, “a grande decepção ocorreu em março deste ano, quando o Pará divulgou a primeira auditoria dos frigoríficos que assinaram TACs e o MPF passou a mão na cabeça de todo mundo”.

A história da destruição da Amazônia tem relação direta com a abertura e a pavimentação de estradas, como evidenciam o documentário e a primeira reportagem da série Projeto Amazônia, “Asfaltar ou não asfaltar?”, de Fabiano Maisonnave e Lalo de Almeida.

Não que as rodovias sejam, em si, um mal. Ao contrário, elas melhoram a vida de quem vive isolado e ganha acesso a hospitais e mercados.

O problema está na forma desordenada e bucaneira com que se franquearam as terras públicas da Amazônia para apropriação indevida, objeto da segunda reportagem da série.

Não falta material para tomar conhecimento do que vem junto com a carne no seu prato, mas fique sabendo que não é de fácil digestão.

Como Assistir “Sob a Pata do Boi”

https://www.facebook.com/sobapatadoboi/
http://bit.ly/SobPBiTunes
http://bit.ly/SobPBGPlay
http://bit.ly/SobPBVivoPlay
http://bit.ly/SobPBNow

Por: Marcelo Leite, Jornalista especializado em ciência e ambiente, autor de “Ciência – Use com Cuidado”. mleite@uol.com.br
Fonte: Folha de São Paulo
Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.