Irmão de deputado candidato à reeleição é detido com R$ 500 mil no TO

Polícia investiga se recurso seria usado na prática de crime eleitoral

Policiais de Tocantins detiveram ontem (1º) um homem que tinha acabado de sair de um banco com cerca de R$ 500 mil em uma mala. Prevendo que a quantia seria usada na prática de crimes eleitorais, a Polícia Civil encaminhou o suspeito à delegacia da Polícia Federal em Araguaína (TO), que instaurou inquérito para apurar o caso.

Polícia Federal apreendeu recursos que somam R$ 500 mil levados em uma mala.
Os R$ 500 mil apreendidos pela polícia eram levados em uma mala. – Divulgação/Polícia Federal

O homem detido é o advogado e empresário Luiz Olinto Rotoli Garcia de Oliveira, irmão do deputado estadual Olyntho Neto, candidato à reeleição pelo PSDB. O advogado estava na companhia de um policial militar que presta serviço à Assembleia Legislativa estadual. Os dois usavam um veículo oficial que, segundo a assessoria da assembleia, fica aos cuidados do deputado Olyntho Neto.

Ao ser notificada, a Justiça Eleitoral autorizou a Polícia Federal a instaurar inquérito para investigar a suspeita de crime eleitoral. O advogado e o policial militar prestaram depoimento e foram liberados ontem mesmo.

O teor do depoimento de Oliveira não foi divulgado. A Polícia Civil informou ter abordado Oliveira após receber uma denúncia de extorsão, que logo foi descartada. Os policiais que atenderam à ocorrência seguiram a dupla por alguns quarteirões antes de parar o carro em que o advogado e o policial viajavam e encontraram o dinheiro.

Outro lado

Em nota, a assessoria da Assembleia estadual explicou que o veículo usado pela dupla “destina-se a atender às necessidades administrativas deste Poder, bem como às atividades parlamentares, sendo de inteira responsabilidade dos seus condutores”. A assessoria também confirmou que o PM detido é um dos vários policiais militares cedidos pela corporação para garantir a segurança institucional da Assembleia e dos parlamentares.

Ainda de acordo com a assessoria, nenhuma medida administrativa foi adotada até o momento porque é esperada a manifestação do deputado estadual Olyntho Neto.

Até o momento, a Polícia Militar não se manifestou sobre o ocorrido. Procurada pela Agência Brasil, a assessoria da corporação informou que os fatos ainda estão sendo analisados.

A reportagem não conseguiu falar nem com o advogado Luiz Olinto Rotoli Garcia de Oliveira, nem seu irmão, o deputado estadual Olyntho Neto, cujos telefones do gabinete não estão sendo atendidos.

Compra de votos

Segundo a PF, com a intensificação da disputa pelo voto dos eleitores, a semana que antecede a realização do primeiro turno das eleições tende a registrar um aumento do número de denúncias envolvendo crimes eleitorais. Para atender às exigências do período, que considera “crítico”, a PF instalou, ontem (1), o Centro Integrado de Comando e Controle das Eleições 2018, que vai concentrar as informações de 15 instituições e órgãos públicos federais.

Ontem mesmo, a PF deflagrou uma operação para combater um suposto esquema de compra de votos. Quatro mandados de busca e apreensão e um de prisão preventiva foram cumpridos no âmbito da Operação Cheque Benefício, que apura um esquema de compra de votos em Roraima. De acordo com as investigações preliminares, os suspeitos prometiam fraudar a concessão de benefícios previdenciários, favorecendo eleitores que votassem para um candidato a deputado estadual em Roraima. A PF afirma que, além de manipular as eleições, o esquema causaria um prejuízo de mais de R$ 650 mil aos cofres públicos.

Por: Alex Rodrigues
Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Davi Oliveira

Deixe um comentário