Operação prende 3 pessoas por exploração ilegal de madeira em terra indígena e aplica multa de R$ 1 milhão em MT

Ibama suspeita que exploração ilegal tenha ocorrido nas terras indígenas Sete de Setembro e Igarapé Lourdes, no entorno das madeireiras.

Operação Warã — Foto: Ibama/Assessoria
Operação Warã — Foto: Ibama/Assessoria

Três pessoas foram presas por exploração ilegal de madeira em terra indígenas em Mato Grosso. As prisões ocorreram na Operação Warã e foram divulgadas nessa quinta-feira (4) pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O Ibama, com o ajuda da Polícia Federal, prendeu três pessoas por receptação de toras com origem ilegal e aplicou multa de aproximadamente R$ 1 milhão em multas na região de Rondolândia, a 1.600 km de Cuiabá.

Cinco madeireiras inspecionadas apresentaram irregularidades. O tamanho das toras e as espécies encontradas nos pátios indicam que as árvores foram retiradas de terras indígenas.

Em um dos estabelecimentos os agentes ambientais identificaram 57 toras de Ipê que totalizam 113,7 metros cúbicos, escondidas sob a serragem. Um metro cúbico da espécie vale até R$ 4 mil após o beneficiamento.

Cerca de mil metros cúbicos de madeira foram apreendidos. Técnicos do Instituto suspeitam que a exploração ilegal tenha ocorrido nas terras indígenas Sete de Setembro e Igarapé Lourdes, no entorno das madeireiras.

O material recolhido foi depositado em um asilo, uma creche e prefeituras da região.

Na etapa anterior da operação, o Ibama embargou 18 serrarias na divisa de Rondônia e Mato Grosso. Na ocasião, a PF cumpriu 11 mandados de busca e apreensão em residências e empresas. Duas serrarias clandestinas foram identificadas.

Os envolvidos no esquema de receptação e extração ilegal de madeira estão sob investigação. Todas as informações reunidas serão encaminhadas ao Ministério Público Federal (MPF) para apuração de responsabilidades no âmbito criminal.

Fonte: G1

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.