‘Discoporto’: como relatos de eventos sobrenaturais levaram cidade brasileira a criar aeroporto para disco voador

Barra do Garças, em Mato Grosso, criou um ‘discoporto’ para facilitar contratos com extraterrestres e atrair turistas

Detalhes de uma noite de 1996 ainda continuam presentes na memória do empresário Lauro Aquino, de 41 anos. Ele relata que jogava baralho com os amigos, em 3 de março daquele ano, quando avistou uma luz intensa passando pelo céu. “Toda a vila onde moro ficou iluminada. A avenida ficou lotada de gente apontando para cima e tentando entender o que era aquilo que sobrevoava a nossa cidade”, relembra.

“Era algo muito grande, mas ninguém sabia o que era”, diz o empresário. Para Lauro e os amigos, tratava-se de um objeto voador não identificado, um óvni.

O suposto evento aconteceu em Barra do Garças, em Mato Grosso, cidade natal de Lauro. No município, que tem pouco mais de 60 mil habitantes, relatos sobre óvnis são constantes. Entre as inúmeras lendas sobre o assunto, há moradores que contam casos de pessoas que teriam sido abduzidas. Os casos, porém, nunca foram comprovados.

A situação que Lauro conta ter vivenciado em 1996 não foi o primeiro relato do tipo feito por moradores da cidade mato-grossense, localizada na divisa com Goiás. Muitos outros habitantes do município também afirmam ter avistado óvnis na região.

“Esses relatos são milenares. Há muito tempo, eles estão presentes em contos de indígenas que vivem na região”, diz o psicólogo Ataíde Ferreira, presidente da Associação Mato-grossense de Pesquisas Ufológicas e Psíquicas (Ampup), à BBC News Brasil.

Há décadas, ufólogos e pesquisadores brasileiros vão a Barra do Garças para investigar os inúmeros relatos sobre óvnis na região.

As constantes narrativas de moradores sobre óvnis e os diversos estudos feitos na cidade motivaram a criação de um local destinado a possíveis pousos dos objetos voadores: o discoporto.

O aeroporto para discos voadores foi um projeto apresentado por Valdon Varjão, já falecido, então vereador da cidade. Em setembro de 1995, os parlamentares da Câmara do Município aprovaram a iniciativa por unanimidade.

Varjão costumava explicar que o discoporto era uma forma de fomentar o turismo do município – além de facilitar contatos com extraterrestres.

Localizado em uma área rural, o discoporto conta com um painel ilustrativo e uma imagem de um alienígena verde com uma placa 'bem-vindo'
Narrativas frequentes de moradores sobre óvnis motivaram a criação do discoporto

Os relatos sobre óvnis

Depois da experiência em 1996, Lauro comenta ter avistado outros objetos voadores não identificados no céu de Barra do Garças. “São muitas histórias que presenciei por aqui. Antes, eu não acreditava, era cético, até que comecei a ver essas luzes com frequência.”

Ele comenta que uma das vezes mais recente em que viu um suposto disco voador foi em 7 de agosto do ano passado. Na data, estava com a família, em uma comemoração, quando viu um objeto sobrevoando Barra do Garças. “Nós estávamos em uma festa e vimos algo passando pelo céu com muita rapidez”, diz.

O jornalista Genito Ribeiro dos Santos, de 47 anos, também relata ter avistado objetos não identificados no céu de Barra do Garças. “Eu era totalmente cético em relação a isso, até ver pela primeira vez. Fui surpreendido quando fui fazer uma gravação na Serra do Roncador, aqui na cidade, e uma luz veio para cima do carro em que eu estava com outros profissionais. Por trás da luz, que mudava de cor a todo instante, havia algo sólido e brilhoso. Esse objeto perseguiu o nosso veículo por, mais ou menos, três minutos”, conta à BBC News Brasil.

“Quando descemos a serra e retornamos à cidade, estávamos completamente espantados. As pessoas pensavam que tínhamos usado algum tipo de droga, mas nunca consumimos essas coisas. O que vimos era algo muito real, que ficou a, mais ou menos, 100 metros de distância do nosso carro”, acrescenta.

Os relatos sobre os óvnis na cidade têm uma característica em comum: envolvem a Serra do Roncador – que tem início em Barra do Garças e vai até o Sul do Pará. O lugar, que possui cachoeiras, trilhas e grutas com pinturas rupestres, é considerado místico por muitas pessoas.

Localizada no paralelo 15 graus Sul, linha imaginária que passa por lugares considerados místicos, a Serra do Roncador acumula histórias misteriosas. A mais conhecida é o desaparecimento do coronel inglês Percy Fawcett, em 1925. Ele estava em busca de uma suposta cidade perdida, a qual denominou de Z, quando adentrou a serra. Foi a última vez em que foi visto.

“A Serra do Roncador está entre as regiões milenares de acontecimentos estranhos. As histórias inusitadas ajudam a povoar a imaginação das pessoas, especialmente os esotéricos, que fazem interpretações que são, comumente, baseadas no achismo”, afirma Ataíde Ferreira.

Em razão dos inúmeros relatos sobre possíveis óvnis relacionados à serra, estudiosos interessados no assunto e ex-militares da aeronáutica criaram, há cerca de 18 anos, o Núcleo Araguaia de Pesquisas Ufológicas do Roncador (Napur).

“Nosso principal objetivo é discutir os assuntos ufológicos da região”, explica o engenheiro civil Rubens Machado, que há 15 anos preside o Napur. Segundo ele, as reuniões do núcleo, que costumavam ser semanais, não acontecem há meses, em razão da falta de tempo dos membros do grupo.

O núcleo de pesquisas nunca chegou a uma conclusão sobre os relatos de óvnis na região. “O que temos de concreto são apenas os relatos de pessoas que dizem ter visto naves com luzes. Há, inclusive, um amigo que diz ter visto um ser extraterrestre”, comenta Machado.

Painel representando espaçonaves e alienígenas verdes no discoporto de Barra do Garças
No discoporto, há um painel representando espaçonaves e alienígenas verdes. Foto: ASSOCIAÇÃO MATO-GROSSENSE DE PESQUISAS UFOLÓGICAS

O discoporto

Em meio às constantes narrativas sobre objetos não identificados na cidade, Valdon Varjão propôs a criação do discoporto. Para alguns, tratava-se de uma sandice. Outros, porém, apoiaram a iniciativa. Para o então vereador, que dizia nunca ter avistado um óvni no céu de Barra do Garças, o projeto era uma estratégia para legitimar os relatos de moradores e atrair turistas.

O discoporto foi inaugurado em abril de 1997, em uma área de 2,2 mil metros quadrados do Parque Estadual da Serra Azul, que possui cachoeiras e serras. O parque, localizado em Barra do Garças, está na mesma região da Serra do Roncador.

Para a criação do discoporto, em meio a céu aberto, foi feita uma réplica de um disco voador, além de uma pintura de uma reprodução de um extraterrestre e um painel com um objeto voador e um ET, no qual há um espaço para as pessoas colocarem a cabeça. Segundo a Prefeitura do município, não foram utilizados recursos públicos, pois os itens que compõem o lugar foram concedidos por Varjão.

Moradores de Barra do Garças contam que o vereador cedeu duas antenas parabólicas de sua empresa, para a criação da réplica do disco voador, e outros objetos para as artes colocadas na área do aeroporto de óvnis. Outras pessoas também doaram materiais recicláveis para a construção do espaço.

Os painéis e a réplica de disco voador foram feitos por Genito Ribeiro, que também é artista plástico. Ele afirma que se inspirou em artes que viu pela televisão em grandes estúdios de animação, como o da Walt Disney. “A nave foi feita a partir de sucatas. Na época, o Varjão havia dito que não tinha disponibilidade financeira para construir o discoporto. Ele dizia que mesmo sem recursos, teríamos que fazer algo. Então, juntamos o que tínhamos no momento.”

“Para os primeiros painéis, utilizamos itens como chapas de compensado e tinta acrílica. A nave foi feita com aproveitamento de materiais como chapas de zinco, tela de galinheiro, rodas de carros para a base, entre outros objetos”, diz Ribeiro. Segundo o jornalista, Varjão pagou os serviços artístico com recursos próprios. “Foi um valor irrisório, porque eu já fazia trabalhos para as empresas dele. O Varjão não queria usar dinheiro público na obra.”

Os painéis e a réplica de disco voador, colocados em abril de 97, eram considerados provisórios. Na época, eles foram feitos em virtude da repercussão causada pela aprovação do projeto de criação do discoporto na cidade.

Havia a expectativa de que fosse feita uma obra maior. No entanto, segundo a secretária de Turismo do município, Mônica Porto, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema) não permitiu a realização de uma intervenção maior, em razão de possíveis danos ambientais.

“Esses ícones iniciais foram colocados apenas para não frustrar os visitantes, até que fosse feita a construção na área. Mas como o parque é estadual, a Sema não autorizou, não foi possível fazer uma intervenção conforme planejado”, explica Mônica. Assim, a estrutura que era para ser provisória, tornou-se fixa, com algumas pequenas alterações, como substituições de materiais, ao longo dos anos.

“Anos depois da inauguração do discoporto, fizemos algumas reformas, aproveitando o que estava lá e incluindo uma estrutura um pouco mais resistente. Nesta época, a Prefeitura pagou cerca de R$ 5 mil para a manutenção do lugar”, diz Genito Ribeiro.

O jornalista Genito mostra um quadro que pintou, baseado na experiência que relata ter tido com óvnis - no quadro, uma nave oval brilhante sobrevoa um carro
O jornalista Genito Ribeiro mostra um quadro que pintou, baseado na experiência que relata ter tido com óvnis – no quadro, uma nave oval brilhante sobrevoa um carro. Foto: ASSOCIAÇÃO MATO-GROSSENSE DE PESQUISAS UFOLÓGICAS

Aumento no turismo

O discoporto atraiu a atenção da imprensa e fez com que Barra do Garças conquistasse fama como a cidade do aeroporto para óvnis. “Até veículos internacionais vieram aqui para mostrar a história do primeiro aeroporto para discos voadores”, diz o biólogo e guia turístico da secretaria de Turismo do Município, Fernando Penteado.

As notícias sobre o fato impulsionaram o crescimento do turismo na cidade, conta Penteado. “Muitas pessoas queriam conhecer o discoporto. Algumas vieram de outros países”, comenta.

Entre aqueles que iam ao município mato-grossense, alguns tinham o objetivo de presenciar um fenômeno ufológico. No entanto, conforme Penteado, nunca houve registro de óvni sobrevoando o discoporto. “Até porque é uma área que sempre ficou fechada à noite, que é o período em que normalmente são vistos os objetos não identificados”, explica.

Para o segmento do turismo de Barra do Garças, a época de inauguração do discoporto foi um dos melhores períodos. Mesmo com estrutura precária e com atrativos considerados simples, o aeroporto de óvnis atraía turistas e fazia com que eles também conhecessem outros pontos da cidade, como cachoeiras, trilhas aquáticas e rios.

O incentivo ao turismo ufológico na cidade é tamanho que em novembro de 2015 foi sancionada uma Lei municipal que criou o Dia do ET. A data é comemorada em todo segundo domingo de julho. Conforme a Secretaria de Turismo da cidade, não há nenhum tipo de comemoração no dia, pois, segundo a pasta, é apenas uma forma de reverenciar uma das características mais conhecidas da região.

Imagem de escultura representando um óvni - ao lado, um painel representando um alienígena
Discoporto costumava receber cerca de 400 visitantes por dia, mas está fechado desde agosto de 2014

Parque fechado

Mesmo sendo uma das principais atrações da cidade, o discoporto não recebe visitantes desde agosto de 2014. Na época, um incêndio, supostamente iniciado em um sítio da região, queimou cerca de 80% da cobertura vegetal do Parque Estadual Serra Azul.

A queimada na área de preservação fez com que o local fosse fechado, após ação recomendatória do Ministério Público Estadual (MPE) de Mato Grosso.

De acordo com o MPE, não havia condições de garantir a conservação do parque para o uso público. A entidade apontou que o lugar somente poderia ser reaberto em caso de haver readequações para garantir a proteção da biodiversidade da região.

O fechamento do parque, que em alta temporada costumava receber 400 visitantes por dia, prejudicou o turismo local. “Isso teve grande impacto na cidade, pois o parque sempre foi um grande atrativo. Mas ainda temos alta ocupação de hotéis em grandes eventos da cidade”, comenta Monica Porto.

O Serra Azul está recebendo obras de readequação. Atualmente, a única parte aberta ao público é um mirante no qual é possível avistar toda a cidade. As demais áreas podem ser acessadas somente por grupos de estudantes autorizados a realizar pesquisas no local.

Um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre o MPE de Mato Grosso e a Secretaria de Meio Ambiente do Estado (Sema) prevê a destinação de R$ 1,25 milhão ao Serra Azul, ao longo de quatro anos, para readequação e gestão do espaço.

Grande parte dos recursos para as obras foram obtidos por meio de autuação aplicada à JBS Friboi de Barra do Garças, que teve de pagar R$ 1 milhão, em razão de danos ambientais causados na cidade. Já os R$ 250 mil são valores pagos por uma empresa de loteamento, por meio de medidas indenizatórias e compensatórias definidas no licenciamento ambiental de um condomínio que será construído em Barra do Garças.

Segundo a analista de Meio Ambiente da Sema e gerente regional do parque, Christiane Schnepfleitner, o Serra Azul deve ser reaberto em janeiro. “Estamos nos planejando para que todas as áreas, inclusive o discoporto, sejam reabertas para o público no próximo mês”, pontua.

Desde que o parque foi fechado, o discoporto não recebeu mais nenhum tipo de manutenção. Em razão disso, os itens que o compõem se deterioraram.

Antes de voltar a receber visitas, a expectativa é de que o aeroporto para óvnis passe por revitalização. “A ideia é melhorar aquilo que já existe”, pontua Christiane. Segundo ela, a princípio devem ser feitos procedimentos para melhorar a atual situação dos itens do discoporto. Depois, a gerência do Parque da Serra Azul e a prefeitura de Barra do Garças planejam realizar obras para ampliá-lo. Para isso, deverão solicitar autorização à Sema.

Para muitos moradores Barra do Garças, a reabertura do discoporto terá extrema importância para a cidade. “Mesmo sendo um lugar simples, as pessoas tinham curiosidade de conhecer, nem que fosse apenas para tirar uma foto e dizer que visitou o primeiro aeroporto de discos voadores do mundo”, comenta Genito Ribeiro.

Por: Vinícius Lemos
Fonte: BBC News Brasil

Deixe um comentário