Terras Indígenas: bens da União

Confira o artigo do sócio fundador do ISA Márcio Santilli sobre a importância e a proteção legal das Terras Indígenas. O texto foi publicado originalmente no jornal Correio Braziliense, em 11/12/2018

A Constituição de 1988 dedicou um capítulo específico aos direitos dos índios, constituído pelos artigos 231 e 232. Vários outros dispositivos relativos a esses direitos constam de outros capítulos, a começar pelo inciso XI do artigo 20, que inclui entre os bens da União “as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios”.

Dança tradicional do Alto Xingu, Território Indígena do Xingu | © Ana Lucia Gonçalves / ISA

A Constituição reconhece aos índios “direitos originários” sobre seus territórios, na condição de primeiros habitantes do Brasil, ou seja, tais direitos precedem à criação do Estado Nacional. As Terras Indígenas (TIs) destinam-se à sua “posse permanente” e, por isso, são “inalienáveis”. Os direitos sobre elas são “imprescritíveis” e compete à União demarcá-las e protegê-las. O regime jurídico aplicado às Tis é especialíssimo: propriedade da União associada à posse permanente e ao usufruto exclusivo pelos índios.

Esse regime não é óbvio. Nos países que reconhecem direitos territoriais a populações autóctones, prevalece o regime de propriedade coletiva e inalienável da terra. Há países em que não há propriamente TI reconhecida, mas há povos que vivem em terras públicas, como parques nacionais. Há outros países em que se concede, mais do que o domínio, um “status” de autonomia administrativa no contexto da organização do Estado.

Qualquer que seja o regime aplicável, o fato é que, sempre que algum regime jurídico permitiu a venda dessas terras, o resultado histórico foi o desterro dos povos indígenas, com danos irreparáveis à sobrevivência física e cultural das gerações subsequentes, acirrando conflitos étnicos e sociais e dificultando sua solução. O exemplo mais flagrante é dos Guarani Kaiowá, a segunda maior população indígena do Brasil. Expropriados de suas terras, entre os séculos XIX e XX, vivem confinados em áreas diminutas no Mato Grosso do Sul, à beira de estradas e em acampamentos em condições sub-humanas.

Há quem considere mais avançadas as legislações que reconhecem aos índios a propriedade coletiva das terras. Mas também há quem suspeite que essa opção de considerá-las como bens da União tenha sido resultado de alguma influência “comunista” sobre a Constituinte. Pode ser o caso do presidente Jair Bolsonaro, que tem se declarado a favor de vender e arrendar Tis e quilombos.

A Constituição de 1988 dedicou um capítulo específico aos direitos dos índios, constituído pelos artigos 231 e 232. Vários outros dispositivos relativos a esses direitos constam de outros capítulos, a começar pelo inciso XI do artigo 20, que inclui entre os bens da União “as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios”.

A Constituição reconhece aos índios “direitos originários” sobre seus territórios, na condição de primeiros habitantes do Brasil, ou seja, tais direitos precedem à criação do Estado Nacional. As Terras Indígenas (TIs) destinam-se à sua “posse permanente” e, por isso, são “inalienáveis”. Os direitos sobre elas são “imprescritíveis” e compete à União demarcá-las e protegê-las. O regime jurídico aplicado às Tis é especialíssimo: propriedade da União associada à posse permanente e ao usufruto exclusivo pelos índios.

Esse regime não é óbvio. Nos países que reconhecem direitos territoriais a populações autóctones, prevalece o regime de propriedade coletiva e inalienável da terra. Há países em que não há propriamente TI reconhecida, mas há povos que vivem em terras públicas, como parques nacionais. Há outros países em que se concede, mais do que o domínio, um “status” de autonomia administrativa no contexto da organização do Estado.

Qualquer que seja o regime aplicável, o fato é que, sempre que algum regime jurídico permitiu a venda dessas terras, o resultado histórico foi o desterro dos povos indígenas, com danos irreparáveis à sobrevivência física e cultural das gerações subsequentes, acirrando conflitos étnicos e sociais e dificultando sua solução. O exemplo mais flagrante é dos Guarani Kaiowá, a segunda maior população indígena do Brasil. Expropriados de suas terras, entre os séculos XIX e XX, vivem confinados em áreas diminutas no Mato Grosso do Sul, à beira de estradas e em acampamentos em condições sub-humanas.

Há quem considere mais avançadas as legislações que reconhecem aos índios a propriedade coletiva das terras. Mas também há quem suspeite que essa opção de considerá-las como bens da União tenha sido resultado de alguma influência “comunista” sobre a Constituinte. Pode ser o caso do presidente Jair Bolsonaro, que tem se declarado a favor de vender e arrendar Tis e quilombos.

Por: Márcio Santilli, sócio fundador do ISA
Fonte: ISA/ Correio Braziliense

Deixe um comentário