Espingardas e motosserras são apreendidas em operação que investiga disputa de terras no AP

Ação tem como foco a exploração de madeira e açaí; quatro pessoas foram indiciadas.

Dema apreende três espingardas e quatro motosserras em operação 'Armistício', na Zona Rural de Macapá — Foto: Dema/Divulgação
Dema apreende três espingardas e quatro motosserras em operação ‘Armistício’, na Zona Rural de Macapá — Foto: Dema/Divulgação

Durante a operação “Armistício”, deflagrada na terça-feira (12), a Polícia Civil do Amapá apreendeu três espingardas e quatro motosserras na Comunidade do Fugido, na Zona Rural de Macapá. Quatro pessoas foram indiciadas por extração ilegal de madeira, porte ilegal de armas e utilização ilegal das motosserras.

De acordo com a Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), ocorre um conflito armado, entre famílias da localidade, resultado da disputa de áreas onde há exploração de madeira e açaí. Segundo o delegado Leandro Brito, foi constatado um homicídio por conta da rivalidade no local.

“Nessa comunidade ocorrem conflitos pela extração ilegal de madeira e açaí. Recentemente, houve um homicídio e para evitar algo pior, iniciamos a operação ‘Armistício’, para cessar o conflito armado na região”, explicou.

Espingardas e motosserras foram apresentadas na delegacia — Foto: Dema/Divulgação
Espingardas e motosserras foram apresentadas na delegacia — Foto: Dema/Divulgação

O suspeito de cometer o homicídio não foi preso desde o crime.

Os proprietários do material apreendido foram identificados, mediante relato de moradores, detalhou Brito. Eles prestaram depoimentos na Dema na manhã desta quarta-feira (13), na capital. Ninguém foi preso em flagrante.

De acordo com as investigações da Dema, outras pessoas envolvidas no caso ainda devem ser identificadas durante a nova fase da operação.

“Além das ameaças e extração de madeira, temos informações sobre a caça de animais silvestres também e mais armas. Os proprietários das armas não estavam no local, mas foram identificados, ainda ontem, e prestaram depoimento hoje na delegacia”, finalizou Leite.

O nome da operação é uma alusão ao tratado de paz que busca um cessar-fogo entre exércitos rivais durante a guerra.

A “Comunidade do Fugido” fica localizada em uma região de difícil acesso, às margens do Rio Amazonas, distante cerca de 1h30 de viagem de barco, seguida de 40 minutos de caminhada em mata fechada.

Fonte: G1

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.