E-book reúne narrativas orais de anciões da Terra Indígena São Marcos

O objetivo principal de ‘Panton Pia’ é divulgar a importância das artes verbais dos povos indígenas de Roraima

Financiado desde 2007 pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o livro ‘Panton Pia: Narrativa Oral Indígena – registro na Terra Indígena São Marcos’, que reúne uma série de entrevistas com índios do município de Pacaraima, em Roraima, já está disponível para leitura. O projeto coordenado pelo pesquisador e professor da Universidade Federal de Roraima, Devair Antônio Fiorotti, pode ser acessado de forma gratuita em de e-book.

De acordo com Fiorotti, o objetivo principal de ‘Panton Pia’ é divulgar a importância das artes verbais dos povos indígenas de Roraima . “A ideia central do livro é valorizar os protagonistas dessa comunidade, ou seja, os anciões. Quis entender a historia deles, como por exemplo, a visão deles sobre ser indígena nos dias de hoje. A partir do momento que o público ler as histórias vai entender mais sobre a cultura amazônica, afinal, esses personagens fazem parte de uma geração única”, explicou.

Fiorotti entrevistou 27 idosos da Terra Indígena São Marcos, dentre eles, indígenas das etnias macuxi, taurepang e wipixana. A primeira edição mostra apenas a narrativa de 12 anciões. Já o nome do livro é oriundo da língua indígena macuxi, ‘Panton’ significa história, já ‘pia’, é perto, ou seja, ‘perto da história. O pesquisador adiantou que ainda existem outros volumes que serão publicados em outras oportunidades.

Divulgação

Para o livro, Fiorotti contou com a ajuda de alunos de iniciação científica e de mestrado. Na página oficial do projeto ‘Panton Pia’, ele afirmou que a ideia de relatar a história dos indígenas surgiu quando percebeu estar com mais de duas mil paginas de material, e o mesmo não chegava ao conhecimento das pessoas.

Na opinião de Fiorotti, a cultura indígena precisa ser mais valorizada pelos brasileiros. “A cultura deles vive em constante mudança, isso sempre existiu em qualquer cultura, seja na nossa ou nas deles. Durante o processo de entrevistas, pude perceber essas diferenças. Quero destacar também, o protagonismo desses anciões, que lutam pelo seu espaço. A maioria dos entrevistados afirmaram que não abandonariam suas terras, pois, assim, vivem mais integrados com a natureza”, informou.

Confira algumas entrevistas feitas pelo pesquisador Devair Fiorotti:

Por: Diego Oliveira
Fonte: Portal Amazônia

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.