O derretimento de pequenas geleiras poderia adicionar 25 cm ao nível do mar até 2100

Uma nova revisão de dados de pesquisa de geleiras pinta uma imagem de um futuro planeta com muito menos gelo e muito mais água. Prevê-se que as geleiras em todo o mundo percam de 18% a 36% de sua massa até 2100, resultando em quase 25 cm de aumento do nível do mar.

A revisão é a mais abrangente comparação global de simulações de geleiras já compiladas.

“A mensagem clara é que há perda de massa – perda substancial de massa – em todo o mundo”, disse a principal autora, Regine Hock, do Instituto de Geofísica da Universidade do Alasca Fairbanks.

A perda antecipada de gelo varia por região, mas o padrão é evidente.

“Temos mais de 200 simulações de computador e todos dizem a mesma coisa. Embora existam algumas diferenças, isso é realmente consistente ”, disse Hock.

Este é o único esforço abrangente e sistemático até hoje para comparar modelos de geleiras em escala global e suas projeções. O papel faz parte do GlacierMIP, um projeto internacional para comparar a pesquisa de geleiras para entender as mudanças nas geleiras e suas contribuições para o aumento do nível do mar global.

O estudo de Hock comparou 214 simulações de geleiras de seis grupos de pesquisa em todo o mundo e “todos eles pintam a mesma imagem”, disse Hock.

Esses grupos vincularam seus próprios estudos a mais de 25 modelos climáticos usando uma série de cenários climáticos. Esses cenários são baseados em várias trajetórias diferentes para as concentrações de gases de efeito estufa e condições atmosféricas adotadas pelo Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima, chamadas de vias de concentração representativas, referidas pelos cientistas como PCR. Atualmente, o planeta está se movendo em direção às estimativas mais altas de concentrações de gases de efeito estufa.

Hock é ex-pesquisador de pós-doutorado do Instituto Geofísico Andrew Bliss, juntamente com outros autores, examinaram os dados e os resultados desses estudos para trabalhar em direção a um método coordenado para entender a perda de gelo.

Eles examinaram as mudanças em massa para mais de 200.000 glaciares em todo o mundo, totalizando uma área igual ao tamanho do Texas. O estudo não inclui as vastas camadas de gelo na Groenlândia ou na Antártida, cujo comportamento é diferente das geleiras montanhosas e terrestres e que exigem métodos de modelagem únicos.

Os resultados indicam que as geleiras menores poderiam desempenhar um papel muito maior no aumento do nível do mar do que os pesquisadores haviam pensado anteriormente. A maioria das pesquisas se concentrou nos lençóis de gelo na Groenlândia e na Antártida, devido ao seu tamanho e proeminência, mas o efeito das geleiras menores é significativo.

“Confirmamos que eles são realmente contribuintes substanciais para o aumento do nível do mar”, disse Hock.

Por exemplo, as 25 mil geleiras do Alasca perderão entre 30% e 50% de sua massa até o final deste século. Assim que o fizerem, o Alasca será o maior contribuinte regional global do nível do mar no Hemisfério Norte, além da Groenlândia.

“Globalmente, há quase 25 cm de aumento do nível do mar até 2100 apenas das geleiras menores, enquanto todo mundo acha que é apenas a Antártida e Groenlândia”, disse Hock. “Mas essas geleiras relativamente pequenas no mundo têm um enorme impacto”.

O artigo ‘GlacierMIP – A model intercomparison of global-scale glacier mass-balance models and projections‘ foi publicado no Journal of Glaciology e pode ser acessado aqui.

Fonte: A informação é de Fritz Freudenberger, publicada por Journal of Glaciology e reproduzida por EcoDebate
Tradução: Henrique Cortez

Deixe um comentário