No interior do Pará, terceiro presidente do mesmo sindicato é assassinado em 34 anos

Todos os homicídios foram em Rio Maria, cidade conhecida como “A terra da morte anunciada”

Carlos Cabral foi alvejado quatro vezes e morreu no caminho para o hospital municipal de Rio Maria  - Créditos: Foto: Divulgação
Carlos Cabral foi alvejado quatro vezes e morreu no caminho para o hospital municipal de Rio Maria / Foto: Divulgação

Na tarde desta terça-feira (11), Carlos Cabral Pereira, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Rio Maria, na região sudeste do Pará, foi assassinado. De acordo com testemunhas, dois homens em uma moto preta teriam disparado contra o ativista. Fontes da Comissão Pastoral da Terra (CPT) confirmaram o homicídio.

Cabral foi atingido por quatro tiros, dois desses na cabeça e morreu a caminho do hospital municipal de Rio Maria. O ativista já havia sido alvo de um atentado, em 1991, quando também foi baleado em uma emboscada.

Histórico de mortes

Em 18 de dezembro de 1985, o trabalhador rural e militante do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) João Canuto, foi brutalmente assassinado com 12 tiros. Dois fazendeiros da região foram julgados e condenados pelo homicídio: Adilson Carvalho Laranjeira, prefeito de Rio Maria na época, e Vantuir Gonçalves.

Quase seis anos depois, em fevereiro de 1991, o sucessor de João Canuto na presidência do STR, Expedito Ribeiro de Souza, também foi assassinado. O mandante foi o fazendeiro Jerônimo Alves do Amorim, condenado a 19 anos de prisão.

Todos os homicídios aconteceram na cidade de Rio Maria, que passou a ser informalmente tratada como “a terra da morte anunciada”.

O Brasil de Fato tentou contato com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará para apurar as circunstâncias do atentado sofrido por Carlos Cabral. Até o fechamento desta matéria, não houve retorno.

Por: Igor Carvalho
Fonte:
Brasil de Fato
Edição: Rodrigo Chagas

Deixe um comentário