Vaticano cogita permitir que homens casados se tornem padres na Amazônia

Possibilidade deve ser aberta preferencialmente para indígenas. Hoje, homens podem exercer a função de diáconos.

O Vaticano emitiu, nesta segunda-feira (17), um documento que recomenda à Igreja Católica que considere ordenar homens mais velhos, casados e que tenham famílias constituídas, como padres em regiões remotas da Amazônia. A medida se aplicaria àqueles que tiverem, de preferência, ascendência indígena.

O documento também pede que seja identificado algum tipo de ministério oficial que possa ser conferido às mulheres.

Segundo agências internacionais, o documento é a menção mais direta em um documento do Vaticano à possibilidade de que homens casados possam ser padres. Hoje, eles podem exercer a função de diáconos — o diaconato é um dos ministérios da Igreja.

“Afirmando que o celibato é uma dádiva para a Igreja, pede-se que, para as áreas mais remotas da região, se estude a possibilidade da ordenação sacerdotal de pessoas idosas, de preferência indígenas, respeitadas e reconhecidas por sua comunidade, mesmo que já tenham uma família constituída e estável, com a finalidade de assegurar os Sacramentos que acompanhem e sustentem a vida cristã”, diz o documento.

O Papa Francisco afirmou, em entrevista ao jornal alemão “Die Zeit” há cerca de dois anos, que era preciso “refletir” sobre a possibilidade de ordenar os chamados “Viri probati”, expressão em latim para “homens provados” que se refere a homens maduros envolvidos na Igreja e casados.

“Também teríamos que definir que tarefas eles poderiam desempenhar, por exemplo, em comunidades remotas”, afirmou Francisco.

Soluções para a Amazônia

Peregrinos católicos exibem faixa com uma imagem de Jesus durante uma viagem de barco em Santa Izabel do Pará, no Pará, em 2012. — Foto: Paulo Santos/Arquivo/Reuters
Peregrinos católicos exibem faixa com uma imagem de Jesus durante uma viagem de barco em Santa Izabel do Pará, no Pará, em 2012. — Foto: Paulo Santos/Arquivo/Reuters

O documento publicado nesta segunda-feira (17) é um instrumento de trabalho para o Sínodo dos Bispos, marcado para outubro, no Vaticano. O encontro vai discutir a presença da Igreja Católica na região amazônica.

A discussão sobre a possibilidade de homens casados serem ordenados vem de necessidades ouvidas das próprias comunidades da Amazônia, explica Dom Mário Antônio da Silva, bispo de Roraima e segundo vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

O principal, diz Dom Mário Antônio, é que pessoas de comunidades distantes, principalmente indígenas, tenham acesso à eucaristia.

Peregrinos católicos durante uma viagem de barco em Santa Izabel do Pará, no Pará, em 2012. — Foto: Paulo Santos/Arquivo/Reuters
Peregrinos católicos durante uma viagem de barco em Santa Izabel do Pará, no Pará, em 2012. — Foto: Paulo Santos/Arquivo/Reuters

“Teremos a possibilidade maior de ministros ordenados nas próprias comunidades, e, assim, maior frequência das celebrações eucarísticas”, explica o bispo. Apesar de homens casados poderem se tornar diáconos, a função não permite que ele ouça confissões, ministre a unção dos enfermos (também conhecida extrema-unção) ou a eucaristia.

Ele afirma que há interesse por parte de lideranças indígenas na ordenação.”Há interesse e capacidade. Muitos homens podem ser catequistas ou evangelizadores”, diz.

Dom Mário Antônio ressalta, entretanto, que o objetivo não é abrir a possibilidade de que padres já ordenados se casem, pois o próprio documento ressalta que “o celibato é uma dádiva para a Igreja.”

Olhem para as mulheres, diz organização que defende a ordenação feminina

Campanha da organização Women's Ordination Worldwide faz vigília nesta sexta-feira (3) pela ordenação de mulheres perto do Vaticano, onde é realizado o Jubileu dos Sacerdotes — Foto: Reprodução/ Twitter/ WomensOrdinationConf
Campanha da organização Women’s Ordination Worldwide faz vigília nesta sexta-feira (3) pela ordenação de mulheres perto do Vaticano, onde é realizado o Jubileu dos Sacerdotes — Foto: Reprodução/ Twitter/ WomensOrdinationConf

A esperança, diz Kate McElwee, da organização Women’s Ordination Worldwide, que defende a ordenação feminina na Igreja Católica, é que a discussão que ocorrerá em outubro aprofunde o reconhecimento da presença da mulher na instituição.

“As mulheres estão ministrando às suas comunidades pelas margens”, diz McElwee. “Em nossa crise atual, a Igreja seria sábia em olhar para o chão, olhar para as mulheres. Esperamos que este compromisso de incluir as mulheres nos papéis de decisão se estenda ao próprio Sínodo, permitindo que as mulheres tenham o direito de votar em documentos ao lado de seus pares masculinos”, declarou ao G1.

O Papa Francisco em uma das audiências semanais no Vaticano. — Foto: Remo Casilli/Reuters
O Papa Francisco em uma das audiências semanais no Vaticano. — Foto: Remo Casilli/Reuters

O Sínodo é uma assembleia de bispos que representam o conjunto de todos os bispos da Igreja Católica e tem a missão de ajudar o Papa no governo da entidade. Ele também pode oferecer orientações sobre a doutrina católica que podem ser transformadas em lei pelo pontífice; foi estabelecido em 1965 pelo Papa Paulo VI.

No final do mês passado, o Papa Francisco nomeou, pela primeira vez na história, mulheres para ocuparem cargos na secretaria-geral do Sínodo.

Dom Mário Antônio explica que a discussão sobre o ordenamento de mulheres não está na pauta do encontro, mas existe a possibilidade de que a participação delas seja discutida, sem necessariamente discutir a ordenação.

Em 2016, Francisco também declarou, a bordo do avião papal, que a proibição de mulheres se tornarem padres na Igreja Católica é para sempre e não deve ser alterada.

Fonte: G1

Deixe um comentário