MPF: documentos sobre gestão da Terra Indígena Yanomami são entregues a órgãos públicos do AM

Além das questões territoriais, regulamentos também tratam da importância da prestação de serviços públicos de saúde e educação segundo as peculiaridades do povo indígena

pgta sendo entregue para entidade

As regras de uso da Terra Indígena Yanomami, localizada entre os estados do Amazonas e Roraima, e a forma de consulta ao povo indígena na hipótese de haver empreendimentos que tenham potencial impacto em suas terras foram formalizadas em documento entregue por lideranças indígenas a membro do Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas e a representantes do Executivo estadual.

Durante o evento, acompanhadas pelo procurador da República José Gladston Viana Correia, lideranças destacaram que o Plano de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) e o Protocolo de Consulta do Povo Yanomami também tratam das particularidades do povo indígena e da maneira como devem ser prestados serviços de educação e saúde, observando essas especificidades. Os representantes da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) e da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) receberam versões dos documentos, escritos originalmente em três línguas nativas e traduzidos para o português, com o apoio do Instituto Socioambiental (ISA).

“O plano e o protocolo significam a defesa do meu povo Yanomami, o direito à terra, a proteger a nossa língua, a nossa saúde, o cuidado com a floresta. A proteção aos nossos costumes é importante para que não ocorra a mesma coisa que ocorreu em 1986, quando garimpeiros entraram na nossa terra e mataram metade do nosso povo”, relatou o líder indígena Davi Kopenawa.

Conflitos e deficiências

Na ocasião, o procurador da República José Gladston Viana Correia falou sobre as deficiências na prestação de serviços essenciais aos indígenas. “O povo Yanomami enfrenta problemas relativos ao respeito à sua diferenciação cultural. O serviço de saúde oferecido aos indígenas é deficiente e a educação ainda não está completamente adaptada às peculiaridades culturais dos Yanomami. Segundo a Constituição, a educação indígena deve ser intercultural, os métodos, o modo como as construções das escolas são realizadas. Tudo isso deve ser adequado às peculiaridades”, afirmou.

Outro problema com o qual os Yanomami se deparam, de acordo com o procurador, diz respeito aos garimpos ilegais nas terras indígenas. “Há um grande número de garimpeiros que se dirigem a essas terras para retirar as riquezas de lá, como o ouro, e com isso, levam doenças, armas, exploração do trabalho e exploração sexual”, contou.

Ainda segundo Viana, várias operações que contam com o apoio do MPF têm sido realizadas tanto no Amazonas quanto em Roraima. “Existe também a Força-Tarefa Amazônia, que tem entre seus objetivos o combate à mineração ilegal. Nossa atuação repressiva tem sido fortificada. Além disso, tentamos fazer atuação preventiva, para que os garimpeiros não tenham acesso facilitado à terra indígena, com ações nos dois estados para que se fortaleçam os órgãos estatais que controlam acesso ao território, principalmente a Funai”, destacou o procurador da República, que já atuou em Roraima antes da atual lotação no MPF no Amazonas.

Fonte: Procuradoria da República no Amazonas

Deixe um comentário

Um comentário em “MPF: documentos sobre gestão da Terra Indígena Yanomami são entregues a órgãos públicos do AM

  • 29 de julho de 2019 em 9:43
    Permalink

    I have noticed you don’t monetize amazonia.org.br, don’t waste your traffic, you can earn additional cash every month with new
    monetization method. This is the best adsense alternative for any
    type of website (they approve all websites), for more details simply search in gooogle:
    murgrabia’s tools

Fechado para comentários.