Brasil tem emissões estáveis em 2018

Aumento foi de 0,3% em relação ao ano anterior, segundo novos dados do SEEG; queda no setor de energia, puxada por renováveis, compensou alta no desmatamento da Amazônia.

Colheita de cana em Mato Grosso (Foto: Secom/MT)

As emissões brasileiras de gases de efeito estufa se mantiveram estáveis em 2018, segundo nova estimativa do SEEG, o Sistema de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima.

No ano passado, o país teve emissões brutas de 1,939 bilhão de toneladas de CO2 equivalente (CO2e), um valor 0,3% maior do que o 1,932 bilhão de toneladas verificado em 2017. Os dados serão apresentados nesta quarta-feira (6) em Recife, durante a 1a Conferência Brasileira de Mudança do Clima.

As emissões decorrentes da alta de 8,5% no desmatamento da Amazônia no ano passado foram em parte compensadas por uma redução de cerca de 10% na destruição do Cerrado, o que fez as emissões por mudança de uso da terra crescerem 3,6%.

No setor de energia, registrou-se queda de 5% nas emissões, ocasionada por um aumento expressivo (13%) no uso de etanol no transporte de passageiros, pela adição obrigatória de biodiesel ao diesel e pelo incremento de renováveis na geração de eletricidade. Nessa área, houve também crescimento da energia eólica e aumento das chuvas, que fizeram o governo desligar termelétricas fósseis e acionar usinas hidrelétricas. Devido ao menor acionamento de usinas térmicas, as fontes não-hídricas ultrapassaram as fósseis pela primeira vez e, em 2018, foram a segunda maior fonte de eletricidade para o país.

Já as emissões de agropecuária, processos industriais e resíduos tiveram pequenas variações: queda de 0,7% no primeiro setor e aumento de 1% nos outros dois.

Mesmo com a aparente boa notícia, o perfil das emissões brasileiras indica que o país, que é o sétimo maior poluidor climático do planeta, ainda não incorporou uma trajetória consistente de redução de emissões. “Manter as emissões brasileiras estáveis num mundo que continua aumentando as emissões é importante, mas não suficiente. O planeta precisa que as emissões sejam reduzidas com vigor nos próximos anos, e infelizmente nosso cenário de emissões para 2020 é de aumento”, afirmou Tasso Azevedo, coordenador-técnico do OC e coordenador do SEEG.

Nos dois anos anteriores (2016 e 2017), as emissões vinham em queda (0,4% em 2016 e 4,2% em 2017). Em 2019, elas deverão sofrer crescimento importante, devido à explosão no desmatamento na Amazônia e no Cerrado. “O desmatamento deste ano ainda não está capturado nesta estimativa”, salientou Azevedo.

O país não cumprirá a meta estabelecida para 2020 em sua lei nacional de clima de reduzir em 80% a taxa de desmatamento na Amazônia. Mesmo que todo o desmatamento parasse hoje, a elevação detectada pelo sistema de monitoramento do Inpe nos últimos meses já nos coloca num patamar superior aos 3.925 km2 estabelecidos na lei. Com a meta de 2020 prejudicada, o país parte de uma posição pior para cumprir sua NDC, a meta do Acordo de Paris.

“Nós já vínhamos numa situação delicada antes do desmonte da governança ambiental brasileira promovido pelo governo atual”, disse Carlos Rittl, secretário-executivo do OC. “Em 2019, os planos de combate ao desmatamento na Amazônia e Cerrado foram engavetados e não temos nem mesmo um esboço de plano para a implementação da NDC, que deveria ocorrer a partir do ano que vem. Na verdade, até os órgãos que deveriam implantar a NDC foram extintos pela atual administração.”

O desmatamento, que respondeu por 44% de todo o carbono lançado na atmosfera pelo país em 2018, também causa distorções no perfil brasileiro de emissões: é em grande parte por causa das mudanças no uso da terra que o Brasil emite mais per capita do que a média mundial (9,3 toneladas brutas contra 7,2 toneladas em 2018). Um cidadão do Pará, estado campeão de emissões (e de desmatamento), emite quatro vezes mais do que um norte-americano.

A seguir, os destaques dos principais setores da economia na sétima edição do SEEG.

AGROPECUÁRIA: O setor respondeu por 25% das emissões do Brasil em 2018, com 492 milhões de toneladas de CO2e. Trata-se de uma ligeira queda de 0,7% em relação a 2017, causada por uma redução no rebanho bovino, principal fonte de gases de efeito estufa do setor. Desde 2016, a agropecuária tem tido pequenas quedas nas suas emissões devido a variações de conjuntura. “O agro é um dos setores com maior potencial de aumentar sua ambição de corte de emissões e de aumento do sequestro de carbono com aumento de receita, mas ele vem reduzindo essas emissões em mais ou menos 1% ao ano. Estamos perdendo a oportunidade de um ganha-ganha entre redução de emissões, aumento de sequestro e aumento de produtividade”, observou Marina Piatto, coordenadora de Clima e Cadeias Agropecuárias do Imaflora.

ENERGIA e PROCESSOS INDUSTRIAIS: O setor de energia, no qual são computadas as emissões por queima de combustíveis fósseis, foi o destaque positivo do SEEG 7, com uma queda de 5% em 2018 – para 408 milhões de toneladas de CO2e. Ele respondeu por 21% das emissões brasileiras. A queda foi causada por uma combinação de três fatores principais: o aumento do uso de biocombustíveis, em especial, o salto de 13% no uso de etanol nos transportes, com uma redução idêntica no consumo de gasolina; uma temporada de chuvas regular, o que reduziu o uso de termelétricas na matriz de eletricidade; e um aumento das renováveis, sobretudo, a eólica. “Pela primeira vez as fontes renováveis não-hídricas se tornaram a segunda principal forma de gerar eletricidade no Brasil, superando as fontes fósseis”, afirmou Felipe Barcellos e Silva, analista de projetos do IEMA (Instituto de Energia e Meio Ambiente).

O setor de processos industriais e uso de produtos, que reúne as emissões da indústria, teve em 2018 um aumento em seus gases-estufa de 1%, puxado pelo ligeiro reaquecimento da economia – de 99,9 MtCO2e para 101,2 MtCO2e. Ele responde por 5% das emissões nacionais.

MUDANÇA DE USO DA TERRA: Responsável por 44% das emissões do Brasil em 2018, o setor emitiu 845 milhões de toneladas de CO2e em 2018, um crescimento de 3,6% em relação às 816 milhões de toneladas do ano anterior. O desmatamento na Amazônia, que subiu 8,5%, puxou as emissões para cima, mas estas foram parcialmente compensadas por uma queda de 10,9% na taxa de desmatamento no Cerrado. “Esse aumento foi capitaneado pelo Pará, onde o desmatamento explodiu principalmente nas regiões da rodovia BR-163 e na Terra do Meio”, disse Ane Alencar, diretora de Ciência do Ipam.

Neste ano, o SEEG fez um ajuste em sua metodologia que mudou de forma significativa as emissões de uso da terra e acabou levando a alterações em toda a série histórica do SEEG. É que, no Terceiro Inventário Nacional de emissões, publicado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, que fornecia o parâmetro de comparação ano a ano, as emissões por desmatamento da Mata Atlântica estavam superestimadas – de forma que, mesmo com uma taxa de desmatamento 98% menor do que a da Amazônia, o bioma ainda tinha emissões na casa das dezenas de milhões de toneladas de CO2 equivalente. Usando dados do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, publicado pela Fundação SOS Mata Atlântica, o SEEG recalculou as respectivas emissões desse bioma.

RESÍDUOS: O setor responde por 5% das emissões do Brasil. Seu crescimento acompanha mais de perto o aumento da população e a urbanização. Em 2018, as emissões por resíduos cresceram 1,3%, com 91,9 milhões de tCO2e. “Historicamente, a principal contribuição de emissões do setor é decorrente da disposição resíduos sólidos em aterros sanitários, controlados e lixões. No entanto, observa-se uma contribuição cada vez mais significativa dos subsetores de tratamento de efluentes líquidos, tanto domésticos quanto industriais”, explicou Íris Coluna, assessora de projetos do ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade. “A busca pela universalização dos serviços de saneamento pode impactar significativamente o setor. Portanto, é importante se valer de soluções que também contribuam para reduzir emissões.”

Sobre o Observatório do Clima: rede formada em 2002, composta por 47 organizações não governamentais e movimentos sociais. Atua para o progresso do diálogo, das políticas públicas e processos de tomada de decisão sobre mudanças climáticas no país e globalmente. Site: www.observatoriodoclima.eco.br.

Sobre o SEEG:

O Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa foi criado em 2012 para atender a uma determinação da PNMC (Política Nacional de Mudanças Climáticas). O decreto que regulamenta a PNMC estabeleceu que o país deveria produzir estimativas anuais de emissão, de forma a acompanhar a execução da política. O governo, porém, nunca as produziu. Os inventários nacionais, instrumentos fundamentais para conhecer em detalhe o perfil de emissões do país, são publicados apenas de cinco em cinco anos.

O SEEG (www.seeg.eco.br) foi a primeira iniciativa nacional de produção de estimativas anuais para toda a economia. Ele foi lançado em 2012 e incorporado ao Observatório do Clima em 2013. Hoje, em sua sétima coleção, é uma das maiores bases de dados nacionais sobre emissões de gases estufa, compreendendo as emissões brasileiras de cinco setores (Agropecuária, Energia, Mudança de Uso da Terra, Processos Industriais e Resíduos).

As estimativas são geradas segundo as diretrizes do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), com base nos Inventários Brasileiros de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases do Efeito Estufa, do MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações).

Atuaram no SEEG 7 pesquisadores das ONGs: Ipam e Imazon (Mudança de Uso da Terra), Imaflora (Agropecuária), Iema (Energia e Processos Industriais) e ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade (Resíduos).

LEIA O RELATÓRIO SÍNTESE AQUI: SEEG 2019

Fonte: Observatório do Clima

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.