‘Nosso governo não é responsável pelo desmonte das agências ambientais’, diz Mourão

“Todos nós estamos sujeitos a críticas, mas parcela das críticas feitas ao Salles são injustas”, disse Hamilton Mourão. Foto: Romério Cunha/VPR

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) disse nesta quinta-feira (09) que o governo “não é responsável pelo desmonte das agências ambientais”. Para Mourão, a falta de pessoal e a proibição de novos concursos são heranças dos governos anteriores. Mourão também desaprovou as críticas internacionais sobre desmatamento na Amazônia.

“Nós estamos buscando uma solução para que essas agências tenham sua força de trabalho recompletada. Críticas têm sido feitas, principalmente em relação ao ministro Ricardo Salles, e eu quero deixar claro aqui que essas críticas não estão sendo justas”, disse, em coletiva à imprensa.

Na segunda-feira (06), o Ministério Público Federal entrou com uma ação de improbidade administrativa contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, acusando-o de promover o desmonte do sistema de proteção ambiental do país. Os procuradores também pediram o afastamento imediato de Salles do Ministério do Meio Ambiente.

Questionado sobre a ação do MPF, Mourão não respondeu a pergunta.

A coletiva coloca panos frios na fritura de Ricardo Salles. Com a fala de Mourão, fica claro que o ministro conta com o apoio não apenas do presidente, Jair Bolsonaro, quanto do vice e de uma das principais ministras do governo, Tereza Cristina, da Agricultura, que participou da coletiva.

Para Mourão, há uma disputa geopolítica por trás da defesa da preservação da Amazônia. “O Brasil tem um potencial extraordinário, pelas características do nosso território, do nosso povo. Nós temos água, luz, terra fértil, espaço para avançar e crescer. Então, não resta a mínima dúvida que nós seremos, dentro em breve, a maior potência agrícola do mundo. Isso é destino manifesto do nosso país”, disse. A coletiva ocorreu após o vice-presidente participar de uma videoconferência com investidores internacionais.

“É óbvio que aqueles que serão incomodados pelo avanço da produção brasileira, buscarão, de alguma forma, impedir que essa produção evolua como vem ocorrendo”, afirmou Mourão.

No começo da semana (06), líderes de 38 grandes empresas brasileiras e estrangeiras e de quatro entidades setoriais do agronegócio, do mercado financeiro e da indústria enviaram uma carta aberta endereçada ao vice-presidente Hamilton Mourão pedindo providências urgentes contra a devastação da Amazônia.

Por: Daniele Bragança
Fonte: O Eco

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.