Entre os três estados que apresentam alta no número de mortes por coronavírus, dois estão na Amazônia Legal

Total de casos confirmados na região amazônica ultrapassa um milhão

(Photo by NELSON ALMEIDA / AFP)

Após nove meses do primeiro caso confirmado do novo coronavírus no Brasil, os números já ultrapassam os 5 milhões, na Amazônia Legal, a soma de casos nos nove estados já totaliza mais de um milhão. O número de mortes já acumula 158. 456 vítimas, na região amazônica é de mais de 23 mil pessoas segundo a o Ministério da Saúde.

Os estados que mais foram atingidos pelo coronavírus foram Pará, com 250.336 casos e 6.733 óbitos, Maranhão, 185. 000 casos, 4.024 mortes, Amazonas, 159.583 casos e 4.491 mortes, e Mato Grosso que chegou a 141.619 casos e 3.773 mortes decorrentes da doença. Seguidos por Tocantins, Rondônia, Roraima, Amapá e Acre.

Após meses de estabilidade ou queda dois estados da Amazônia Legal voltaram a apresentar indicativo de alta de mortes: Amazonas e Amapá. Devido ao aumento de casos de contaminação por covid-19, a prefeitura de Macapá, capital do Amapá, suspendeu por sete dias atividades que gerem aglomerações. Os estados que estão em estabilidade, ou seja, o número de mortes não caiu nem subiu significativamente são: Acre, Pará, Tocantins e Maranhão. Em queda: Mato Grosso, Rondônia e Roraima.

A maioria dos estados por conta do indício de queda nas curvas de mortes e casos por covid-19 no Brasil, estão retomando as atividades não essenciais e as essenciais. Para os setores que já estão em funcionamento foram estabelecidas normas, como disponibilização de álcool gel, fornecimento de máscaras, desinfecção frequente do ambiente e superfícies, controle das aglomerações nos locais, adoção de revezamento e escalas para os trabalhadores e distanciamento mínimo de 2 metros entre funcionários e clientes.

Desde o início da pandemia, a Polícia Federal realizou 52 operações contra desvios de recursos públicos destinados a combater o avanço da doença. Na Amazônia Legal, foram alvos os governadores do Amazonas, Wilson Lima (PSC), e do Pará, Helder Barbalho (MDB).

Alunos das redes públicas e particulares começam a voltar para as salas de aula. O estado do Amazonas foi o primeiro a retomar as atividades pedagógicas presenciais no mês de agosto. No Pará, as aulas presenciais da rede estadual de ensino no Pará só serão retomadas em 2021. Rondônia adiou o início das aulas até o dia 3 de novembro. Em Maranhão, Mato Grosso, Acre e Roraima ainda não há definição de data de retorno. Contudo, em alguns estados foi decretado o retorno das atividades pedagógicas remotas. O governo de Mato Grosso havia determinado a volta nessa modalidade para a educação básica no início de agosto, mesma situação do Amapá.  Porém as atividades educacionais presenciais da rede pública não possuem previsão de quando serão retomadas. No Tocantins, o governo federal publicou no dia 30 de setembro o Decreto n° 6.159 autorizando o retorno das aulas presenciais para a última etapa da educação básica e faculdades e universidades tanto públicas quanto privadas.  A norma estendeu a suspensão das aulas presenciais para os demais estudantes até o dia 31 de outubro.

Fonte: Amazônia.org.br

Deixe um comentário