Acre considera “muito grave” situação de enchentes no Estado

Numa rua do bairro Taquari, em Rio Branco, moradores fogem com a mudança

Um boletim do governo do Acre e da prefeitura de Rio Branco, divulgado na tarde desta quinta-feira (23), considera “muito grave” a situação das enchentes no Estado. Mais de 70 mil pessoas já foram atingidas pelas cheias, sendo que mais de 10 mil foram levadas para abrigos públicos improvisados pela Defesa Civil nos municípios.

O nível do Rio Acre continua subindo. Na medição divulgada às 15h pela Defesa Civil, o rio alcançou, em Rio Branco, a cota de 17,51 m, ficando 3,51 m acima da cota de transbordamento, que é 14 m.

O transbordamento do rio Acre desabrigou famílias nos municípios de Assis Brasil, Brasiléia, Xapuri, Porto Acre e Rio Branco. O Rio Purus atingiu os municípios de Santa Rosa e Manoel Urbano, e o Rio Iaco, o município de Sena Madureira.

Em Cruzeiro do Sul, o Rio Juruá já ultrapassou, na manhã desta quinta-feira, a cota de transbordamento. Dos municípios atingidos, Rio Branco, Santa Rosa e Brasiléia são os que enfrentam os maiores prejuízos.

Em Rio Branco, a capital do Acre, a enchente já chegou a 14,3 mil imóveis, atingindo em torno de 57,2 mil pessoas. A maioria das pessoas está em casa de parentes e amigos e 1,4 mil famílias alojadas em abrigos públicos, num total de 5,5 mil pessoas.

No município de Brasiléia, fronteira com a Bolívia, 95% da área urbana foi atingida, desabrigando mais de 6 mil pessoas.

De acordo com o boletim, o governo estadual e a prefeitura de Rio Branco, com o apoio do governo federal, têm assegurado o envio de alimento, remédio e água potável às áreas atingidas e garantido todo o apoio às famílias que estão em abrigos públicos.

O governo federal enviou 72 homens da Força Nacional, 18 profissionais da Força Nacional SUS, três profissionais da Defesa Civil Nacional, entre eles, o chefe do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), Armin Braun.

Mais 140 homens do Exército serão deslocados nesta sexta, de Rondônia, para reforçar as equipes. A Aeronáutica também tem organizado o uso de aeronaves na entrega de cestas básicas e remédios em áreas isoladas.

A presidente Dilma Roussef, em conversa por telefone com o governador Tião Viana (PT), na tarde de quarta, se solidarizou com a população do Acre e pediu detalhes da situação de cada município atingido pela cheia. A presidente assegurou que o governo federal vai apoiar as famílias atingidas.

Em Xapuri, o rio chegou a 15,56 m. No município de Brasiléia, apesar de apresentar uma tendência de vazante, o rio ainda alaga boa parte da área urbana.

Diante da possibilidade de agravamento da situação, a superintendência do Banco do Brasil no Acre, em parceria com o governo do Estado e a prefeitura de Rio Branco, abriu uma conta corrente para receber depósitos, que beneficiará os desabrigados pelas alagações em todo o Estado.

O CNPJ usado pelo Banco do Brasil é o da Diocese de Rio Branco. O dinheiro arrecadado será administrado pelo Fórum Tático Operacional da Superintendência do Banco do Brasil, em parceria com a Defesa Civil.

SOS ENCHENTE RIO ACRE – (Banco do Brasil, agência 0071-X, conta 100.000-4). CNPJ 14.346.589/0001-99

Separada da Bolívia pelo Rio Acre, Brasiléia é a cidade mais atingida (Foto: Sérgio Vale/Governo do Acre)

Por: Altino Machado
Fonte: Blog da Amazônia  

Deixe um comentário