900 mil consomem água contaminada em Belém

Algo une moradores de periferia e moradores de condomínios horizontais e verticais na Região Metropolitana de Belém (RMB). A má qualidade da água. Existem atualmente na RMB cerca de 1.300 condomínios verticais e horizontais. Pelo menos 800 deles têm um sistema próprio de abastecimento de água, ou seja, possuem os próprios poços. São cerca de 900 mil pessoas que consomem água dessa forma. Se todos migrassem para o sistema da Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), haveria um colapso na rede de distribuição de água.

“A rede não aguentaria a pressão”, diz o geólogo Francisco de Assis Matos de Abreu, 62 anos. Abreu sabe o que diz. Foi consultor do Banco Mundial em um trabalho que radiografou os sistemas de abastecimento em Manaus, Belém, Natal, Maceió e Fortaleza. “O banco queria ter um quadro geral do abastecimento de água, com os gargalos e possíveis soluções em termos de investimento”, diz.

Segundo o geólogo, também professor da Universidade Federal do Pará, a capacidade de abastecimento do Utinga, por exemplo, está com os anos contados. “Quinze anos, no máximo”, alerta. Há problemas graves na tubulação, que remontam, em alguns casos, aos anos 50 do século passado.

Além do problema específico da capacidade de abastecimento, insuficiente para suprir uma demanda cada vez maior, há uma situação ainda mais grave. Apenas 7% das residências na RMB possuem um tratamento sanitário adequado. “Tudo o que é dejeto vai para as fossas, sejam elas sépticas ou negras, que são aquelas em que se cava um buraco e se joga as fezes nele”, diz o professor.

Com isso, o risco de contaminação da água consumida em Belém é altíssimo. O exemplo mais claro disso está nos poços de abastecimento dos condomínios. Quase todos estão cavados a uma profundidade máxima de 40 metros. Às vezes até dez metros a menos que isso. Para que uma água seja captada de forma segura, os poços teriam de ter uma profundidade mínima de 250 metros, absorvendo as chamadas águas subterrâneas profundas. Não é o que costuma ocorrer.

Poços com 40 metros abarcam água que está facilmente em contato com os dejetos sanitários. O resultado não é complicado de se pensar. “Pelo menos 80% desses poços estão seriamente contaminados”, diz Francisco Matos de Abreu. A contaminação se dá por coliformes fecais e por todo o chamado ciclo de nitrogênio. “Desde o livre até o nitrato, que na forma mais evoluída desenvolve patologias cancerígenas”, alerta.

Um desses males é a ‘doença azul’, que acomete – e mata – crianças, principalmente bebês menores de seis meses de idade. Originada do consumo de água em bolsões com forte presença de nitrato, a ‘doença azul’ pode ser explicada, de forma simples, como uma diminuição da capacidade do sangue transportar oxigênio. Com isso, a criança pode sofrer asfixia, ficando com a pele azulada, especialmente ao redor de olhos e bocas.

Metade da água tratada se perde no caminho

As soluções não são imediatas e faltam recursos para implementá-las. Uma das ações defendidas por Abreu é o sistema de distribuição baseado em poços profundos de 250 metros a 280 metros, pelo menos, para áreas de redistribuição na Augusto Montenegro e Cidade Nova, por exemplo. “O tempo de vida útil de um poço bem feito é de 15 a 20 anos. Seria o tempo necessário para que, aos poucos, as tubulações antigas fossem substituídas”, afirma o geólogo.

Um poço com essas características produz 400 mil litros de água por hora e pode ser acionado por 18 horas. Seria o suficiente para abastecer 200 casas por hora, ou cerca de mil pessoas. “Pelo menos 30 mil pessoas poderiam ser abastecidas com um sistema desse tipo”, diz Abreu.

Por ora, a situação é difícil de ser resolvida. Segundo o pesquisador, metade da água que sai do reservatório do Utinga se perde no meio do caminho, seja por deficiência do sistema, ou pelo roubo feito por moradores, que fazem ‘gatos’ equivalentes aos que existem no sistema de energia elétrica. A Cosanpa admite a perda. “Quando falta água, o sistema puxa a água que está por perto e o que vem é água contaminada. Por isso, logo depois o que sai das torneiras é aquela água amarela. É contaminação pura, um caso de calamidade pública”, diz o geólogo.

Um olhar mais adequado por parte de governantes ou outros poderes políticos não parece ser provável. “Abastecimento de água é o exemplo de obra que não é fotogênica. Por isso os políticos não se interessam por ela”, sentencia o professor.

Belém pode perder R$ 162 mi para obras de saneamento

O Plano Diretor de Abastecimento de Água e Esgoto de Belém prossegue sem data definida para iniciar. O termo de compromisso que seria firmado entre a Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) e a Prefeitura de Belém e deveria ter sido assinado no último dia 5, definindo a Cosanpa responsável por todo o abastecimento da capital, não se concretizou.

“As negociações foram suspensas pelo Município, que exigiu mais tempo para análise jurídica do documento”, afirmou o presidente da Cosanpa, Antônio Braga, ontem à tarde, durante sessão especial na Câmara de Belém, em alusão ao Dia da Água.

O atraso mantém em suspenso um investimento de aproximadamente R$ 162 milhões previsto para a capital. O projeto prevê a automação da 1ª etapa da Estação de Tratamento de Água (ETA) do Bolonha, a implantação da unidade de tratamento de resíduos da ETA e a integração dos sistemas de abastecimento de água dos municípios de Ananindeua e Marituba ao sistema Bolonha, por meio de uma única adutora.

O dinheiro para as obras já está disponível pelo Programa de Aceleração do Crescimento II (PAC II), do governo federal. “O governo federal estipulou que para receber os investimentos do PAC, os municípios deveriam renovar os contratos de concessão. Enquanto a prefeitura não assinar o contrato, os recursos não são liberados”, explica Braga.

A diretoria da Cosanpa vem, desde o início do ano passado, tentando o processo de renovação da concessão. Se firmado, o contrato prevê a concessão dos serviços à Cosanpa por um período de 30 anos. A companhia passaria a ser responsável por abastecer também as áreas da cidade que, hoje, competem ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto do Município de Belém (Saaeb) – parte de Mosqueiro, Icoaraci, Cotijuba e Outeiro.

A prefeitura ficará encarregada da regulação e fiscalização dos serviços , pela Agência Reguladora Municipal de Água e Esgoto de Belém cuja criação está prevista pelo contrato.

Um dia para pensar em como cuidar da água

Os cuidados com o meio ambiente e a importância da preservação do planeta foram discutidos ontem, no Dia Mundial da Água. Durante a manhã, 40 crianças de uma escola convidada participaram de atividades na Praça Milton Trindade (Horto Municipal).

A programação especial – que contava com oficinas de artes plásticas e de reaproveitamento de materiais, apresentação de filmes e a produção de um filtro feito com garrafa pet – tinha o objetivo de conscientizar as crianças sobre a importância da economia de água no planeta.

A pequena Manuela Sandovick, de 6 anos de idade, era uma das participantes do evento. Ela mostra que leva os ensinamentos também para casa. “Na minha casa, coloco lixo no lugar de lixo para preservar o meio ambiente. Se você não cuidar, não vai ter um futuro melhor”, disse.

SIMPÓSIO

Também em comemoração ao Dia da Água e ao Dia Meteorológico Mundial, acontece até hoje o I Simpósio “O tempo, o clima e a água: motores de nosso futuro”. Durante dois dias, o evento discute a importância das informações meteorológicas para um futuro sustentável.

José Raimundo Abreu, coordenador do Instituto Nacional de Meteorologia no Pará (Inmet/Pa), destacou a importância da coleta de dados para auxiliar em trabalhos de prevenção de desastres causados por mudanças climáticas. “O Inmet ampliou sua rede de 28 para 70 estações de meteorologia para coleta de dados de chuva, temperaturas, horários. Isso permite um estudo das condições de tempo e clima em toda a região, que auxiliam em trabalhos de prevenção”.

Fonte: Diário do Pará

Deixe um comentário

4 comentários em “900 mil consomem água contaminada em Belém

  • 22 de junho de 2015 em 11:53
    Permalink

    Há mais de 3 anos eu bebia água chamada mineral e tinha problemas de saúde muito sério, dores articulares, enxaqueca, refluxo até que um dia um amigo me mostrou a acidez da água “mineral” e decidi comprar um filtro que trata a água na minha casa.
    Não satisfeita comecei a pesquisar outros tipos de água e descobri que não basta a água ser apenas alcalina, ela melhora quando magnetizamos e mineralizamos e hoje a minha água é ALCALIN, MAGNETIZADA E MINERALIDADA. Os problemas de saúde sumiram e eu que já era hipertensa e pré diabética deixei de tomar os remédios e estou muito bem.
    Se quiser informação é só entrar em contato pelo sylocimolsaudebelem@gmail.com

  • 26 de maio de 2012 em 13:15
    Permalink

    nydda qre rindo domloyd meyne site marrvyrolho yete site
    my sygim em my site byjj
    assyrty:jaclynne bonzyss

  • 16 de maio de 2012 em 20:01
    Permalink

    adorei este site
    bjss me sigam la
    podem publicar meu
    comentario

Os comentários estão desativados.