Cúpula dos Povos terá alojamentos em duas escolas e estuda outras opções sugeridas pela prefeitura

O Comitê Facilitador da Sociedade Civil estuda alternativas para alojamento dos grupos nacionais e estrangeiros que participarão da Cúpula dos Povos, no Aterro do Flamengo. O evento ocorrerá em paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), em junho, no Rio de Janeiro.

As propostas foram formuladas domingo (26), em reunião fechada com a prefeitura, da qual participou o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. Uma nova rodada de negociação está programada para segunda-feira (2/4) e também deverá contar com a presença de Carvalho, informou ontem (27) à Agência Brasil Carlos Henrique Painel, membro do Comitê Facilitador Nacional da Sociedade Civil na Rio+20.

Painel informou que já foi fechado acordo com duas escolas localizadas no entorno do Aterro do Flamengo e que serão usadas como alojamento. “Estamos discutindo agora quais serão as outras opções que a gente pretende ocupar, sem ferir o nosso propósito metodológico de ficar nas imediações do Aterro (do Flamengo)”, disse Painel.

Indagado se os alojamentos poderiam atrapalhar o ano letivo, Carlos Painel esclareceu que diante da possibilidade de a prefeitura decretar feriado no período de realização da Rio+20, entre 20 e 22 de junho, atendendo a pedido da presidenta Dilma Rousseff, as aulas dos dias 18 e 19 poderiam ser dadas no próprio ambiente da Cúpula dos Povos. O feriado nos dias da Rio+20 visaria a dar ‘mobilidade’ aos chefes de Estado e de Governo dos países-membros das Nações Unidas que estarão na cidade.

“A ideia é prejudicar o mínimo essas crianças e também absorvê-las dentro da Cúpula dos Povos. Ou seja, em vez de elas ficarem em casa sem atividade, fazer um acordo com a diretoria das escolas e os professores para que elas vão à Cúpula dos Povos, onde teriam diversos aprendizados, para que o período de aulas não sofra nenhum tipo de interrupção”, revelou. A Cúpula dos Povos será realizada de 15 a 23 de junho.

A Quinta da Boa Vista, proposta inicialmente pela prefeitura, foi descartada em razão da distância, mesmo com a prefeitura oferecendo a oportunidade de ter ônibus para levar e trazer os participantes nos dias de realização do evento.

O Comitê Facilitador está estudando os outros espaços sugeridos, que foram um galpão no Cais do Porto e o Sambódromo. “É uma opção que, aparentemente, é viável”, disse, referindo-se ao galpão. Salientou a necessidade, porém, de saber o estado em que ele se encontra. Para isso, será feita uma visita técnica ao local, nos próximos dias.

Sobre o Sambódromo, manifestou que apesar da distância, “a gente acha que em uma caminhada em marcha, a gente chegaria lá rapidamente. A reunião com o prefeito apontou essa direção e a gente acha que haverá acordo. As negociações avançaram muito”.

Carlos Painel acredita que o acordo sobre os locais onde serão montados os acampamentos para os grupos sociais e ambientais que participarão da Cúpula dos Povos “não pode passar da segunda-feira que vem (02). Provavelmente, a gente bate o martelo”, estimou.

Por: Alana Gandra
Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Fábio Massalli

Deixe um comentário