Notificações e casos de dengue reduzem na capital

Houve diminuição de 86% no índice de casos em toda a capital

O número de notificações de dengue, na capital, reduziu 86%. A informação foi divulgada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) ontem. Das notificações apresentadas, menos de 30% se confirmaram. A expectativa é de que haja uma redução a cada semana, por conta do fim do inverno.

Nesta semana, houve 173 notificações. Em comparação ao mesmo período de 2011 houve uma redução de quase 90%. À época, 1.125 pessoas acreditavam estar com dengue – quase o triplo de notificações realizadas em todo o ano de 2012.

Durante todo o ano, houve apenas 461 confirmações do caso, contrastando com 995 descartes. Das notificações em que foram confirmados casos de dengue, apenas dois tiveram complicações. Não houve nenhum caso de dengue hemorrágica e nenhum óbito.

De acordo com o secretário municipal de saúde, Oswaldo Leal, todo o resultado positivo deu-se pela estratégia de ação continuada e de combate permanente da doença. “Acreditamos que a política de prevenção, adotada pela prefeitura e pelo governo do estado, contribuíram de forma importante na redução dos casos. Além disso, a própria comunidade percebeu que participar desta ação ajuda de forma significativa no combate à dengue”, enfatiza.

Ele enfatiza que as ações terão continuidade neste ano. “Continuaremos com a mesma política de prevenção. Os agentes de endemia continuam visitando as residências. Nos casos confirmados, toda a estrutura está preparada para garantir que a pessoa enferma receba os cuidados adequados.”

Criando vínculos com a comunidade

No segundo semestre do ano passado, iniciou-se a estratégia de distribuição de áreas para os agentes de endemia. Cada um tem a responsabilidade de visitar 800 residências de uma mesma região. Isso faz com que exista a relação entre comunidade e agente.

Isso faz com que cada funcionário conheça de forma detalhada a situação em que a família se encontra, dando dicas de como manter a saúde e prevenindo a proliferação do mosquito. Além disso, a família passa a receber melhor os agentes.

Ajuda mútua

Somado a essa ideia, junta-se o trabalho das outras secretarias, como a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur) e o Departamento de Estradas de Rodagem, Infraestrutura Hidroviária e Aeroportuária do Acre (Deracre) que estiveram empenhados em fazer uma limpeza total da cidade.

“Tudo o trabalho das outras secretarias, em retirar os entulhos das casas, contribuiu ainda mais na diminuição dos focos e, consequentemente, dos casos da doença. O serviço em conjunto resultou nos resultados que agora dispomos. Isso significa que a participação de todos é de muita importância”, reitera Oswaldo Leal.

Além disso, os próprios serviços de estruturação do saneamento básico realizados pela prefeitura assumiram um papel importante. “Com melhores condições de vida, o número de doenças cai. Isso é apenas uma consequência de todo o trabalho realizado.”, afirma o secretário.

A batalha continua

Apesar do saldo positivo, a campanha continua. Oswaldo Leal afirma que, sem o apoio da comunidade, todo o sucesso não existiria. “Sem a consciência da comunidade, em ajudar a eliminar os focos do mosquito, nossa campanha não teria obtido tanto êxito. No entanto, ainda não houve a erradicação da doença.”, diz.

O secretário reitera que todas as ações, tanto por parte da prefeitura quanto por parte da própria Secretaria Municipal de Saúde, continuam neste ano. No entanto, a população também tem de estar empenhada. “Acreditamos que com a ajuda da população nós conseguiremos enfrentar essa doença. Os dados provam que já estamos conseguindo”.

Fonte: Página 20

Deixe um comentário