Novo Código Florestal virou um Código Agrário, diz Marina Silva

A aprovação do novo Código Florestal, mesmo com os vetos da presidenta Dilma Rousseff, significa, para a ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, a revogação de “mais de 20 anos de esforço de regulação e governança ambiental” no país. “Temos um Código Florestal que não é mais florestal, é um Código Agrário. O que está sendo avaliado é uma caixa de Pandora [caixa que, na mitologia grega, continha todos os males do mundo], com todas as maldades”, criticou.

Marina participou ontem (1º) de seminário sobre energia limpa, na Coordenação de Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), que antecede a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), que ocorre de 13 a 22 de junho no Rio. A ex-senadora definiu o veto da presidenta Dilma Rousseff ao Código Florestal como “periférico e insuficiente”.

Os pontos negativos mais importantes do novo Código Florestal são, na opinião da ex-ministra do Meio Ambiente, a manutenção da anistia para os desmatadores e a redução da proteção das áreas que deveriam ser preservadas, como manguezais, nascentes e margens dos rios. “Permaneceu o projeto do Senado, com agravamentos”, disse.

Marina ressaltou que o antigo Código Florestal tinha ajustes que haviam sido propostos para corrigir algumas situações de entendimento entre ambientalistas, produtores e governo. Ela citou, como exemplo, o cultivo de parreiras, macieiras e dos cafezais. Por serem culturas de ciclo longo e lenhosas, deveriam ficar aonde estão. “Quando nós concordamos com esse arranjo, eles disseram: então, também podem a pecuária, a agricultura de modo geral e o plantio de espécies exóticas e foi isso que ficou no texto do Senado”.

Marina disse que, nesse caso, uma transigência correta para atualizar o código sofre a colocação “de uma agenda do século passado, que é aumentar a produção pelo uso predatório dos recursos naturais”. Ela disse que não é justo o que está sendo feito com as florestas brasileiras. “Estão transferindo o passivo da agricultura para as florestas”.

A ex-ministra denunciou ainda a existência no Brasil de 120 milhões de hectares com uma pecuária improdutiva, que produz uma cabeça de gado por hectare, quando na Argentina são produzidas três cabeças por hectare. Ela acredita que se o país aumentar a eficiência para produzir mais, apoiado pelas tecnologias hoje disponíveis, seriam liberados cerca de 17 milhões de hectares para outros usos.

Outro problema, segundo Marina, é que o país produz um emprego a cada 400 hectares, quando existem tecnologias que permitem produzir um emprego a cada 80 hectares. “Estão transferindo a ineficiência do setor para as florestas. A biodiversidade, os recursos hídricos e a sociedade, de modo geral, estão pagando o preço por não serem enfrentados os gargalos da agricultura”.

Marina também criticou a postura contrária do governo brasileiro à criação de uma agência mundial ambiental em substituição ao Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), orgão de funcionamento semelhante à Organização Mundial da Saúde (OMS), por exemplo. “O que se quer, disse, é ficar no mesmo lugar. No lugar da inércia”.

Em comparação a 1992, quando ocorreu a Conferência da ONU para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio92), Marina avaliou que o cenário hoje é melhor, do ponto de vista da sociedade. “Nós estamos com retrocesso do ponto de vista do governo”. Ela mostrou-se, entretanto, otimista, no sentido de que esses retrocessos podem ser corrigidos e deixou claro que não tem atitude de oposição em relação à presidenta Dilma. “Espero que os rumos sejam corrigidos por quem tem o poder de corrigir, que é o próprio governo. A esperança não é a última que morre. É aquela que não deve morrer”.

Por: Alana Gandra
Fonte: Agência Brasil- EBC
Edição: Fábio Massalli

Deixe um comentário

4 comentários em “Novo Código Florestal virou um Código Agrário, diz Marina Silva

  • 22 de agosto de 2012 em 22:57
    Permalink

    Muito certo Tarshito, foi a forma generalizada com que Marina Silva tratou a questão Ambiental que o governo dela foi um tiro no pé, o novo código florestal é uma prova disso, ela marginalizou a todos de forma generalizada, colocou na midia como se todo agricultor, todo madeireiro fosse um criminoso e não implantou nenhuma condição de sustentabilidade para quem quisesse trabalhar assim, ambientalismo baseado em teorias de escritorio é um incendio no meio ambiente!!! é presciso sim antes oferecer, dar alcance de sustentabilidade e separar o nessescitado do criminoso, enrigedecer a lei ambiental de tal maneira que a sustentabilidade seja inascessivel e o ganha pão, o trabalho suado se torne crime foi sim uma grande injustiça! QUanto aos argumentos da baixa produtividade da pecuaria concordo sim com a Marina, quanto as matas ciliares também, elas prescisam ser repostas!!!

  • 21 de agosto de 2012 em 19:37
    Permalink

    Sou contra o novo código florestal.

  • 6 de junho de 2012 em 5:21
    Permalink

    Acredito que a legislação ambiental deve desenvolver paralelamente aos ciclos. Uma lei que criminaliza a grande maioria de produtores rurais não funciona. A maioria dos pequenos não faz por nao ter aprendido a fazer, nenhum produtor colocaria em risco sua água, suas reservas de matas, se tivesse conhecimento dos riscos ambientais, da necessidade de predadores naturais (biodiversidade), etc. Pequenos produtores nao podem ser tratados como grandes latifundiários.

    Eu mesmo cultivo abelhas domesticas sem ferrão, sou filho de pequenos produtores e apoio algumas mudanças. Sou contra o veto sobre a não obrigadoriedade de recomposição de áreas. Acidendes naturais não são necessariamente desastres, a proibição de manejo nos topos de serras e encostas é estudado, empiricamente, por séculos. Ao modelo do desenvolvimento da medicina. O grande problema é classificar todos no mesmo rótulo, ruralistas.

    • 6 de junho de 2012 em 5:36
      Permalink

      O ser feminino, Gaia, mãe terra, as vezes precisa de carinhos… Somos todos parte de um todo. Adquirindo conhecimento, desenvolvendo tecnicas, temos condições de florestar e reflorestar até o continente africano desertico, se soubermos como fazer, se aprendermos.

Fechado para comentários.