Consumidor só sentirá redução integral nas tarifas de energia depois de ciclo completo de cobrança

As datas de leitura dos relógios são distribuídas ao longo do mês e, por isso, os consumidores só perceberão integralmente a redução do preço da energia elétrica – determinada pelo governo – após um ciclo completo de cobrança com as novas tarifas. Isso porque, dependendo da data de vencimento da conta, parte do consumo será medido segundo a tarifa antiga e outra parte de acordo com a tarifa reduzida, no primeiro mês de vigência das novas medidas.

A explicação foi dada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a propósito da redução nas contas de energia que começa a vigorar já este mês. Assim, como as novas tarifas valem a partir do dia 24 de janeiro, um consumidor que tem sua leitura feita no dia 10 de fevereiro, teria, nesse mesmo mês, metade de sua energia faturada pela tarifa antiga e a outra metade, pela nova tarifa. A partir de 25 de fevereiro, todas as contas já perceberão os benefícios completos da tarifa reduzida.

A redução é resultado da Lei 12.783/2013, que promoveu a renovação das concessões de transmissão e geração de energia que venciam até 2017, e das medidas provisórias 591/2012 e 605/2013. O efeito médio da redução ficará em 20,2%. Para os consumidores residenciais, a redução mínima chegará a 18%. Para os consumidores de alta tensão, o desconto pode alcançar 32%.

O efeito dessa diminuição será uma mudança permanente no nível das tarifas, pois retira definitivamente custos que compunham as tarifas anteriores, segundo a Aneel, que estabelece uma tarifa diferente para cada distribuidora, em função das peculiaridades de cada concessão.

Confira, na tabela abaixo da Aneel, a redução percentual para os consumidores de baixa tensão (por exemplo, residências).

 

Concessionária Redução B1 (Baixa Tensão)
AES SUL 23,62%
AMAZONAS 18,22%
AMPLA 18,00%
BANDEIRANTE 18,08%
BOA VISTA 18,14%
CAIUA 18,08%
CEA 18,04%
CEAL 18,00%
CEB 18,11%
CEEE 18,13%
CELESC 18,48%
CELG 18,00%
CELPA 18,83%
CELPE 18,04%
CELTINS 18,20%
CEMAR 18,00%
CEMAT 19,29%
CEMIG 18,14%
CEPISA 18,00%
CERON 18,00%
CERR 18,04%
CFLM 20,92%
CFLO 18,00%
CHESP 18,01%
CJE 18,34%
CLFSC 19,66%
CNEE 19,69%
COCEL 18,41%
COELBA 18,96%
COELCE 18,05%
COOPERALIANÇA 18,01%
COPEL 18,12%
COSERN 18,00%
CPEE 23,38%
CPFL PAULISTA 18,07%
CPFL PIRATININGA 18,39%
CSPE 18,01%
DEMEI 18,36%
DMED 18,08%
EBO 18,00%
EDEVP 18,16%
EEB 18,65%
EFLUL 18,17%
ELEKTRO 18,47%
ELETROACRE 18,01%
ELETROCAR 18,07%
ELETROPAULO 18,25%
ELFJC 18,04%
ELFSM 18,97%
EMG 18,14%
ENERSUL 18,24%
ENF 18,07%
EPB 18,01%
ESCELSA 18,01%
ESE 18,00%
FORCEL 18,01%
HIDROPAN 18,50%
IGUACU 18,11%
LIGHT 18,10%
MUXFELDT 18,55%
RGE 22,00%
SULGIPE 18,33%
UHENPAL 25,94%


Por: Jorge Wamburg
Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Talita Cavalcante 

Deixe um comentário