Exploração sustentável gera renda em Unidades de Conservação estaduais

Produtos da floresta incrementa renda e cursos de capacitação fortalecem desenvolvimento local para famílias que residem em áreas protegidas no interior do Amazonas.

Atividades de geração de renda em 14 Unidades de Conservação estaduais visam fortalecer as cadeias produtivas e incrementar a renda dos moradores dessas áreas.

No ano de 2012, o destaque foi para a produção da castanha em sete Unidades de Conservação, que totalizou 193 toneladas, gerando um lucro de R$ 378.872,00 mil e beneficiando 647 famílias. O produto é a principal fonte de renda nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Rio Amapá, Juma, Piagaçu-Purus, Rio Madeira, Igapó-Açu, Reserva Extrativista (Resex) Canutama e Floresta Estadual de Maués. Destaque, ainda, para a produção de cacau na RDS Rio Madeira, que totalizou 80 toneladas.

Uma das metas em 2013 para alcançar um número maior de famílias é estender as ações de fortalecimento para outras reservas estaduais. Desde o dia 10 de janeiro as equipes técnicas já estão em campo viabilizando a realização de oficinas na Resex Catuá-Ipixuna, localizada nos municípios de Tefé e Coari, para efetuar o mapeamento da cadeia produtiva da castanha e organizar os coletores para a colheita da produção deste ano. A atividade vai até o dia 31 de janeiro.

As cadeias mais produtivas variam de acordo com a região e Unidade de Conservação, em função de diversos fatores ambientais e culturais. “A exploração sustentável dos castanhais das Ucs tem a finalidade de gerar renda e contribuir para a melhoria da qualidade de vida das populações que residem tanto dentro quanto no entorno dessas áreas protegidas”, explicou João Bosco, chefe do departamento de manejo e geração de renda do Ceuc.

Capacitações

Para instrumentalizar as populações residentes e usuárias dessas áreas, as capacitações estão no sentido de desenvolver o capital social como fator indutor e potencializador do desenvolvimento local.

Os cursos são realizados em parceria com o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam), voltados, principalmente, para promover o fortalecimento das cadeias produtivas mais relevantes das Ucs, como por exemplo, da castanha, borracha, óleos vegetais, pescado e madeira. No ano passado foram realizados 10 cursos em 5 Unidades, que beneficiaram aproximadamente 198 pessoas.

Para o ano 2013 estão previstos cursos de capacitação de “Boas Práticas da Castanha do Brasil” em 5 unidades (Mosaico do Apuí, RDS Canumã, RDS Rio Amapá e RDS Rio Madeira), além de estudos de diagnóstico da cadeia produtiva em outras unidades produtoras. As ações beneficiarão aproximadamente 150 famílias.

Além das parcerias mencionadas, as ações contam, ainda, com outras parcerias estabelecidas junto a organizações não governamentais e empresas. Essas instituições mantêm o comprometimento com a conservação da floresta e seus recursos e com a melhoria da qualidade de vida das populações tradicionais.

As ações são coordenadas pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SDS) por meio do Centro Estadual de Unidades de Conservação (Ceuc), em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) e Fundação Amazonas Sustentável (FAS).

Fonte: D24 Am

Deixe um comentário