Trabalhadores do canteiro Pimental de Belo Monte anunciam nova greve

Cerca de 5 mil operários do canteiro de obras de Pimental decidiram paralisar os trabalhos no início da tarde desta sexta, 5, informa o Sindicato da Construção Leve de Altamira.

De acordo com os trabalhadores, entre os 21 itens da pauta de reivindicação estão o pagamento de adicional de 40% para operários alojados no canteiro (o chamado adicional de confinamento, previsto mas não efetuado pelo Consórcio Construtor Belo Monte – CCBM), equiparação salarial em funções iguais para todos os canteiros de obra da usina, e fim do sistema 5 por 1, no qual as folgas ocorrem em dias aleatórios e não há adicional de horas extras nos finais de semana.

Os trabalhadores também reclamam do não pagamento de adicional por insalubridade e periculosidade, da péssima qualidade da alimentação e da constante presença de policiais e homens da Força Nacional armados nos canteiros. “Muitos homens acabam ficando sem o café da manhã em função do horário do início do trabalho, e hoje encontraram até insetos vivos na comida. Já a questão da presença das forças de repressão incomoda muito, os trabalhadores se sentem num presídio. Para se ter uma ideia, na última demissão de 80 operários [no final de 2012], quem trouxe a lista de nomes foi a Força Nacional de Segurança”, explica Maria Serafim, presidente do sindicato.

Os 80 trabalhadores demitidos foram denunciados pelo espião contratado pelo CCBM para monitorar operários e, posteriormente, o Movimento Xingu Vivo para Sempre (veja confissão aqui). Depois de descoberto no final de fevereiro, o funcionário do CCBM, que recebia R$ 5 mil pelos serviços de espionagem, afirmou que as informações colhidas por ele eram disponibilizadas para a Agencia Brasileira de Inteligência (ABIN).

Fonte: Movimento Xingu Vivo para Sempre

Deixe um comentário