Norte Energia usará todos os recursos legais para retomar área ocupada em Belo Monte

Responsável pela instalação e operação da Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará, a empresa Norte Energia informou ontem (27), em nota, que usará todos os recursos legais para retomar a área ocupada por índios em um dos canteiros de obras do empreendimento. O consórcio quer garantir a volta ao trabalho dos 4 mil funcionários do Sítio Belo Monte, a cerca de 55 quilômetros de Altamira (PA).

Por razões de segurança, as operações foram suspensas assim que os índios conseguiram entrar no local, por volta das 4h de ontem (27).

O grupo de manifestantes é formado por cerca de 140 índios da etnia Munduruku. Moradores da região do Tapajós, a cerca de 800 quilômetros dos canteiros de Belo Monte, os munduruku pedem a imediata suspensão de todos os empreendimentos hidrelétricos na Amazônia até que o processo de consulta prévia aos povos tradicionais, previsto na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) seja regulamentado.

Esta é a segunda ação indígena neste mês que leva o consórcio construtor da usina a paralisar os trabalhos no Sítio Belo Monte, um dos três grandes canteiros de obras do empreendimento. A última ocupação foi no início de maio, durou oito dias e terminou com os índios deixando o local sem necessidade de uso de força policial. Parte deles, no entanto, continuou acampada em Altamira, mobilizada contra a realização de estudos ou obras nos rios Xingu, Tapajós e Teles Pires.

Em nota anterior, emitida às 13h06, a Norte Energia dizia que “continua em vigor a liminar de reintegração de posse deferida pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região em 08/05/2013, de maneira que os invasores estão descumprindo uma ordem judicial, razão pela qual estão passíveis de serem responsabilizados civil e criminalmente pela nova invasão.”

A Secretaria-Geral da Presidência da República não se manifestou, até o momento, sobre a condição imposta pelos índios para deixar o local: uma reunião com representantes do governo. A Agência Brasil também não conseguiu contactar, por telefone, os líderes da manifestação.

Por: Alex Rodrigues
Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Nádia Franco

Deixe um comentário