Povo Apolima-Arara retoma área de terra indígena demarcada em 2011

O povo Apolima-Arara retomou na noite deste domingo, 2, área da Terra Indígena Arara do Alto Rio Juruá, Acre, demarcada em 2011 com pouco mais de 21 mil hectares. Desde então, o governo federal não apresentou sequer um plano para iniciar a retirada dos invasores. As informações são da liderança Chiquinho Arara.

A área retomada é reconhecida pelos Apolima-Arara como aldeia Quieto, parte da terra indígena localizada no pequeno município de General Taumaturgo. Os indígenas estão acampados na escola e iniciaram a construção de moradias. Por enquanto, nenhum incidente de conflito com os ocupantes não indígenas foram registrados.

Conforme Chiquinho Arara, os Apolima-Arara cansaram de esperar e decidiram eles mesmos fazerem a retomada. Durante este ano e o ano passado, a liderança esteve ao menos duas vezes em Brasília para tratar da situação do povo. Durante a Cúpula dos Povos, em junho de 2012, no Rio de Janeiro, denunciou a morosidade do governo em devolver as terras a seu povo.

O grupo é composto por 475 indígenas que até esta retomada viviam em menos de 10 mil hectares do total de 21 declarados como de ocupação tradicional. Os Apolima-Arara ocupavam apenas terras em uma das margens do rio Amônia, afluente do rio Juruá, e com a retomada passaram para o outro lado do rio.

Fonte: Cimi

Deixe um comentário

2 comentários em “Povo Apolima-Arara retoma área de terra indígena demarcada em 2011

  • 18 de junho de 2013 em 17:59
    Permalink

    Desculpes não tem invasores,quando FUNAI decidiu tira a terra lá já existia a Reserva extrativista do Alto Juruá na qual quem mora nela ganhou o direito desde quando ele foi crida pelo decreto presidencial em 1990 na qual umas das primeiras REXES do Brasil e do Mundo com o objetivo de assegura o direito daqueles povo que ali residente !

  • 4 de junho de 2013 em 16:36
    Permalink

    O QUE CHAMAM DE INVASORES
    SÃO OS EXTRATIVISTAS, POVO DO MESMO SANGUE
    DOS APOLIMA-ARARA, BENEFICIÁRIOS DA RESEX ALTO JURUÁ!

Fechado para comentários.