Lúdio é escolhido para disputar governo

Segundo o articulador do bloco de situação, Carlos Bezerra, pesou para a decisão o desempenho do petista nas pesquisas de intenção de voto

O ex-vereador por Cuiabá Lúdio Cabral (PT) é quem representará a base governista na disputa pelo governo do Estado em outubro. A definição ocorreu nesta quarta-feira (25), após reunião entre os presidentes dos partidos que formam o bloco de situação.

A vaga de candidato a vice-governador ficou com empresário Rogério Ferrarin (PMDB). A candidatura ao Senado já estava definida para o deputado federal Welligton Fagundes (PR). Resta agora a definição de quem serão os suplentes.

A colocação do petista nas pesquisas de intenção de voto encomendadas pelo grupo teria sido o principal critério utilizado pelas legendas para bater o martelo quanto a sua candidatura.

Além dele, disputavam o posto o ex-juiz federal Julier Sebastião da Silva (PMDB) e o vice-governador Chico Daltro (PSD).

Para o principal interlocutor da base aliada, o deputado federal Carlos Bezerra (PMDB), o peso de Lúdio nos levantamentos pré-eleitorais fez com que alguns partidos passassem a defendê-lo, mesmo demonstrando preferência, inicialmente, pela candidatura de Julier.

“O PMDB fez de tudo para viabilizar [o lançamento do ex-juiz], mas ficamos sozinhos, isolados. Tivemos que acatar a decisão da maioria. Eles analisaram que a candidatura do Lúdio seria mais viável para a disputa, imediatamente por conta de seu peso nas pesquisas. Isso pode ter influenciado na decisão de alguns partidos que tinham preferência pelo Julier e acabaram optando pelo Lúdio”, explica.

Quanto ao acordo nacional em prol do fortalecimento da candidatura à reeleição da presidente Dilma Roussef (PT), o peemedebista afirma que prevaleceu a decisão das lideranças do Estado.

A Nacional do PMDB trabalhava junto ao PT para garantir candidaturas ao governo em diversos Estados, incluindo Mato Grosso. Em algumas regiões, a sigla também tratou como prioridade as candidaturas ao Senado e à Câmara Federal.

Em Mato Grosso, estas últimas vagas seriam oferecidas aos demais partidos da base aliada como uma troca pelo apoio a Julier. A estratégia, inclusive, chegou a ser apresentada à presidente durante um encontro com a cúpula do PMDB, onde a continuidade da união entre as legendas foi formalizada.

Mato Grosso era tratado como prioridade neste contexto por conta de sua forte influência na economia nacional, uma vez que o Estado é o berço do agronegócio.

“Existe este acordo nacional, mas nós temos que respeitar a decisão das bases partidárias do nosso Estado. O PMDB ficou praticamente isolado na discussão defendendo o nome de Julier. Não podemos ser antidemocrático”, esclareceu Bezerra.

Conforme o peemedebista, a escolha por Lúdio é irreversível e será homologado nas convenções partidárias, previstas para acontecerem neste final de semana. “Amanhã os advogados dos partidos vão sentar para formatar a chapa para as convenções”.

Vereador por dois mandatos em Cuiabá, Lúdio Cabral disputou a prefeitura de Cuiabá em 2012 sendo derrotado no segundo turno pelo prefeito Mauro Mendes (PSB). Apesar disso, teve um desempenho considerado bom e agora terá o desafio de enfrentar o senador Pedro Taques (PDT) na disputa pelo Palácio Paiaguás.

Fonte: Diário de Cuiabá

Deixe um comentário