Pesquisa recupera línguas amazônicas

Quais as línguas faladas no Brasil?  Além do português, provavelmente sua primeira resposta, há 274 línguas faladas por 305 grupos indígenas, de acordo com o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  Mais de cem estão concentradas na região amazônica, onde pesquisadores do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) atuam na documentação e compreensão dos sistemas linguísticos das populações indígenas.  Estes estudos são assunto da edição de número 69 do Destaque Amazônia.

Há quase trinta anos, o Museu Goeldi trabalha na documentação, descrição e reconstrução de línguas indígenas

O Destaque apresenta seis das trinta e duas línguas que são objeto de estudo de especialistas vinculados ao Goeldi: Oro Win, Gavião, Suruí, Paresí, Arikapú e Djeoromitxí. Além disso, traz reportagens que explicam metodologias, novas abordagens e descobertas recentes da área da Linguística, vinculada à Coordenação de Ciências Humanas (CCH/MPEG).

Valorização cultural – Um resultado concreto desta parceria é o vasto acervo digital no Museu Goeldi, com cerca de 80 línguas indígenas. Duas delas são o Oro Win e o Paresí, que correm risco de extinção. O trabalho de documentação de ambas é apresentado nesta edição do Destaque.

O Oro Win é uma língua que se distingue de outras da Amazônia, com palavras curtas e sons bastante diferentes. Há apenas seis falantes na aldeia em Rondônia, todos acima dos 50 anos. Seu risco de extinção foi agravado ainda na década de 1960, quando o idioma foi proibido de ser falado pelos indígenas que trabalhavam nos seringais. Se não obedecessem, eram agredidos fisicamente.

Além da descrição e documentação, a pesquisa apoiou a tentativa de aprendizado da língua nas escolas, com a elaboração de materiais didáticos junto ao professor local.

No caso dos Paresí, a iniciativa partiu da própria comunidade, preocupada com a perda da cultura tradicional. São pouco menos de 2.000 indígenas desta etnia que vivem em 44 aldeias próximas ao município de Tangará da Serra (MT). Apesar de 90% da população falar Paresí, algumas aldeias sofrem influências da sociedade moderna. O registro foi iniciado em 2006 na aldeia de Formoso, uma das mais tradicionais, e a partir de 2011, os próprios indígenas deram continuidade ao trabalho, após passarem por treinamentos para utilização de equipamentos e técnicas de filmagem.

ORIGENS

Um dos fenômenos que instigam os linguistas na Amazônia é a concentração de grupos étnicos e línguas nas fronteiras do bioma, área de maior interação entre eles. Um estudo recente levanta a hipótese de que essa seria uma zona de convergência, onde se iniciou a ocupação na região.

O estado de Rondônia também é importante para entender as origens das línguas indígenas. Segundo os especialistas, é provável que ali tenha se originado o Tupi, pois é onde se encontra a maior diversidade de línguas deste tronco. Na fronteira com a Bolívia, no Vale do Guaporé, existe uma situação rara de grande diversidade linguística, com aproximadamente 50 línguas diferentes pertencentes a sete troncos linguísticos. Há ainda a existência de dez línguas isoladas, isto é, que não apresentam conexões entre nenhuma outra língua. Isso demonstra a presença de uma ocupação tão antiga cujas origens são difíceis de serem percebidas.

A Linguística Histórica é o ramo que investiga essas origens. Foi a partir dela que pesquisadores do Goeldi descobriram que as línguas Arikapú e Djeoromitxí pertencem ao tronco Macro-Jê. Antes, elas eram consideradas pertencentes a uma pequena família isolada, o Jabutí.

O estudo reconstruiu palavras da língua ancestral comum, chamada de Proto-Jabutí, falada por volta de 2.000 anos atrás antes de ser dividida em duas. Essa pesquisa reuniu dados coletados por Emil-Heinrich Snethlage (1897-1939) em Rondônia, nos anos 1930, e confirmou uma antiga hipótese do etnólogo Curt Nimuendajú (1883-1945). Mais detalhes do estudo são apresentados na exposição Diálogos: os Snethlage e as Ciências Humanas no Museu Goeldi, em cartaz no Parque Zoobotânico.

Fonte: Diário do Pará

Deixe um comentário