Trabalhadores do PT são presos no Acre por crime ambiental

Motosserras, facões, gasolina e óleo usados em Área de Preservação Permanente

Nove homens que trabalhavam para o comitê eleitoral do PT foram flagrados e presos na segunda-feira (15) pelo Pelotão Ambiental da Polícia Militar do Acre por usarem motosserras para retirar bambus da Área de Preservação Permanente (APP) do Igarapé Judia, em Rio Branco (AC), na região do bairro Belo Jardim.

O PT costuma usar bambus como mastros de sua bandeira vermelha. Os mastros são fincados nos quintais de casas de bairros da cidade durante as campanhas eleitorais. Os militantes foram autuados por crime ambiental e liberados para responder ao processo em liberdade, mediante pagamento de fiança.

– Pela legislação, é proibido retirar madeira sem licença ambiental. Além disso, a retirada de bambus em Área de Proteção Permanente também não é permitida. O desmatamento ocorreu ao longo de 30 metros às margens do igarapé da Judia, razão pela qual deu azo ao flagrante – explicou o delegado Josemar Portes, coordenador da Delegacia de Flagrantes.

A polícia apreendeu com os trabalhadores do PT duas motosserras, cinco facões, quatro frascos de óleo, uma chave de vela, além de um frasco de gasolina. Os militantes petistas que vão responder crime ambiental são: Antônio de Lima Wesen, 37, Samir Santos da Silva, 37, Leonílson Brenner Soares Vieira, 34, Sebastião Messias Araújo da Silva, 30, Marcos de Lima Chaves, 21, Agnaldo de Assis Rodrigues, 40, Romário Araújo André, 22, Adílsson Guilherme Aleixo Lopes, 23, e Francisco Ronielves Silva Cunha, 19.

Os militantes são acusados de “destruir ou danificar floresta considerada de preservação permanente, mesmo que em formação, ou inutiliza-la com infringência das normas de proteção (artigo 38 da lei número 9.605/98)”. A denúncia foi apresentada pelo promotor de Justiça Danilo Lovisaro, da 10ª Zona Eleitoral. Os trabalhadores foram liberados após o pagamento de fiança no valor de R$ 7,9 mil, arbitrada pelo delegado.

Os trabalhadores chegaram a alegar ao Pelotão Ambiental que estavam retirando bambus da APP com autorização da Secretaria de Meio Ambiente. Como mas não apresentaram o documento, foram conduzidos para a Delegacia de Flagrantes.

O presidente regional do PT, Ermício Sena, disse à reportagem que o partido mantém contratos com pessoas que trabalham para o comitê eleitoral da coligação Frente Popular do Acre para a retirada de bambu quando licenciado pelos órgãos ambientais.

– Aconteceu que o rapaz que comanda trabalho errou o trajeto e estava retirando indevidamente numa Área de Preservação Permanente. Foi um erro, mas não é nada que não possa ser reparado do ponto de vista legal. Nós não orientamos retirada de bambus em APP. A fiança arbitrada pelo delegado foi paga e agora os trabalhadores poderão responder por crime ambiental – acrescentou o dirigente do PT no Acre.

Por: Altino Machado
Fonte: Terra Magazine/ Blog da Amazônia 

Deixe um comentário