Estudantes de assentamento rural em Mato Grosso elaboram projeto para evitar êxodo rural

Cerca de 15 alunos do ensino médio de uma escola rural de Cotriguaçu, região noroeste de Mato Grosso, Amazônia, estão dando os primeiros passos para consolidar um projeto, ao qual deram o nome “Jovens Semeando Futuro”, cuja proposta é desafiadora: o exercício prático da agroecologia. O objetivo dos adolescentes, filhos de agricultores familiares, é gerar renda e não se distanciarem da relação com a terra, uma realidade com a qual se deparam cada vez mais e faz com que jovens do campo partam do universo rural ao urbano em busca de novas oportunidades. Os alunos são da Escola Estadual André Antônio Maggi e estudam em sala disponibilizada na Escola Municipal do Campo Aldovandro da Rocha Silva, na comunidade Nova Esperança, no Projeto de Assentamento (PA) Nova Cotriguaçu.

O pontapé inicial do projeto, que conta com o apoio do Instituto Centro de Vida (ICV), foi dado em dezembro do ano passado. Na última terça-feira (24), os estudantes e a professora responsável pela turma expuseram os principais objetivos que pretendem alcançar, desde a construção de um mapa do calendário do plantio diversificado à produção de adubos orgânicos e defensivos naturais. Depois tiveram a oportunidade de ir a campo conhecer uma área potencial de plantio com terra preta, onde exercitaram a sensibilização sobre o valor do solo e sua relação com os recursos hídricos e a fertilização, neste Ano Internacional dos Solos, instituído no calendário da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO).

Para divulgar a produção e, ao mesmo tempo, multiplicar o conhecimento a outros jovens, os alunos pretendem confeccionar cartazes, produzir o histórico do processo com imagens e relatos em um blog e em jornais murais.

A ideia, segundo eles, é fortalecer a iniciativa com a divulgação em locais públicos da comunidade, como a própria escola e o posto de saúde, além da participação em festas do calendário local. As primeiras etapas de elaboração do projeto ocorrem neste semestre e incluem a escolha de uma área em potencial para que os alunos façam o roçado e definam os tipos de plantio que irão produzir. A meta é que também haja um intercâmbio de aprendizado com agricultores familiares, que possuem seus sítios nas proximidades. Um meio de incentivar a valorização desses trabalhadores rurais.

O apoio à educação no campo faz parte das atividades do Projeto Noroeste: território sustentável, desenvolvido pelo ICV e parceiros, com apoio do Fundo Vale. A principal meta do projeto é fortalecer e consolidar o noroeste de Mato Grosso como um território florestal, por meio do incentivo e da disseminação de soluções produtivas sustentáveis e com boa governança socioambiental.

Por: Sucena Shkrada Resk
Fonte: ICV – Instituto Centro e Vida 

Deixe um comentário