Estudo analisa ocorrência de mamíferos arborícolas em ilhas fluviais na Amazônia

Ao longo dos anos, as paisagens em torno dos rios são constantemente modificadas pela dinâmica fluvial na região do Médio Solimões. Uma consequência disso é a formação de ilhas fluviais, que durante a seca são isoladas pela água, praias, áreas de capim e de vegetação arbustiva. Buscando entender a influência da paisagem na ocorrência de mamíferos arborícolas nessas ilhas, desde 2014, o pesquisador associado Rafael Rabelo, do Instituto Mamirauá, desenvolve a pesquisa “Efeitos da estrutura da paisagem na ocorrência de mamíferos arborícolas em ilhas fluviais, na Amazônia Central”.

“Para que uma espécie que vive na floresta, tal como os mamíferos arborícolas, ocorra isolada em uma ilha, ela precisa colonizar e persistir na ilha. Os processos de colonização e persistência dessas espécies dependem do isolamento e do tamanho das ilhas, respectivamente. Portanto, queremos entender como o tamanho das ilhas e as características da paisagem no entorno delas podem influenciar na ocorrência desses animais”, explica Rafael.

A área de estudo é localizada na região do Médio Solimões, próxima à confluência dos rios Solimões e Japurá, no entorno da Reserva Mamirauá. As características da paisagem estão sendo analisadas por meio de imagens de satélite. Para realizar o levantamento das espécies de mamíferos arborícolas nas ilhas, Rafael realiza entrevistas com as populações locais e percorre trilhas para registrar a ocorrência das espécies. Em novembro de 2014, o pesquisador realizou três expedições na área de estudo.

De acordo com Rafael, outro objetivo do estudo é entender como a ocupação humana na paisagem pode influenciar na ocorrência desses animais nas ilhas. “Existem alguns indícios de que atividades humanas, tais como caça, agricultura e criação de animais podem afetar negativamente a biodiversidade. Queremos entender se isso acontece na região, já que essas atividades são essenciais para a subsistência das populações tradicionais”, explicou.

A pesquisa é o projeto de mestrado do pesquisador no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). “Identificar adequadamente os fatores que afetam a distribuição das espécies é essencial, sobretudo frente aos desafios de conservação da atualidade, quando recomendações efetivas são necessárias”, conclui o pesquisador.

Por: Amanda Lelis
Fonte: Instituto Mamiraua

Deixe um comentário