Novas regras devem agilizar distribuição de eletricidade na Amazônia

Moradores de áreas de difícil acesso, principalmente na Amazônia, poderão receber energia elétrica já no início de 2016. Empresas distribuidoras foram autorizadas a buscar soluções alternativas de fornecimento de energia, que não sejam os linhões. As novas regras foram publicadas no último dia 16.

Sobre o assunto, o diretor em exercício do Programa Luz Para Todos, Paulo Cerqueira, concedeu entrevista ao programa Nossa Terra, da Rádio Nacional da Amazônia. Ele explicou por que a energia solar, também chamada de fotovoltáica, tem sido a mais atraente nestes casos.

Sonora: “Nós trabalhamos basicamente com energia fotovoltáica. Essa é a nossa meta aqui do ministério. É uma energia limpa, que a gente tem em abundância no nosso país e que a tecnologia de uso dela já está bem desenvolvida e tá se tornando bastante atrativa até por questões econômicas”.

Paulo Cerqueira ressaltou que nos assentamentos em que as residências sejam muito distantes umas das outras, será possível a instalação de placas solares em cada casa. Ele exemplificou também o funcionamento de uma mini-usina solar.

Sonora: “Se a gente tem uma comunidade e ela tem ali uma quantidade de residências mais próximas, provavelmente a gente vai colocar a minicentral, uma mini-usina. É como juntar todas as placas num lugar só e dali puxaria redes pequenas para atender a cada uma das unidades”.

O novo processo de distribuição de energia dispensa leilão, procedimento que fazia o projeto demorar até dois anos para ser concluído.

A iniciativa deve beneficiar cerca de 100 mil pessoas que moram em áreas isoladas.

Por: Maíra Heinen
Fonte: Radioagência Nacional 

Deixe um comentário