Hildebrando Pascoal é encaminhado para hospital em Rio Branco

Ex-coronel do ‘caso da motosserra’ foi internado nesta segunda-feira (10). ‘Está andando com dificuldade’, diz filho do ex-deputado.

Hildebrando foi internado em hospital de Rio Branco nesta segunda-feira (10) (Foto: Gleyciano Rodrigues/ Arquivo pessoal )
Hildebrando foi internado em hospital de Rio Branco nesta segunda-feira (10) (Foto: Gleyciano Rodrigues/ Arquivo pessoal )

O ex-deputado federal Hildebrando Pascoal, preso no presídio de segurança máxima, Antônio Amaro, foi encaminhado na manhã desta segunda-feira (10) para o Hospital de Urgência e Emergência, em Rio Branco. O também ex-coronel da PM é acusado de liderar um grupo de extermínio que atuou no Acre durante a década de 90.

“Meu pai tem pressão alta, hérnia de disco, osteoporose, é tanta coisa que fica complicado saber o que de fato pegou agora. Como eu estava na estrada, não soube na hora, mas agora que cheguei fui informado pela minha mãe e ela me disse que já está tudo bem. Vamos ver, porque a situação dele é muito delicada, inclusive está andando com dificuldade”, disse o filho, Hildegard Gondim.

O G1 tentou confirmar com o Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC) o que teria acontecido, mas não foi informado do motivo do internamento até a publicação desta matéria.

Pascoal voltou a ser destaque na mídia na semana passada quando conseguiu, na terça-feira (4), ter o pedido de progressão de regime do fechado para o semiaberto aceito. Após a juíza Luana Campos conceder o benefício ao ex-deputado, o desembargador da justiça, Roberto Barros, aceitou um mandado de segurança impetrado pelo Ministério Público do Acre (MP-AC) e cassou a saída de Pascoal do presídio.

A advogada de defesa, Fátima Pascoal, informou que deve recorrer da decisão. O processo deve ser julgado pela Câmara Criminal ainda esta semana.

Histórico

Acusado de chefiar um grupo de extermínio no Acre, Pascoal cumpre pena em Rio Branco por tráfico, tentativa de homicídio e corrupção eleitoral. Em 2009, ele foi condenado pela morte de Agilson Firmino, o ‘Baiano’, caso que ficou conhecido popularmente como ‘Crime da Motosserra’. As condenações todas somam mais de 100 anos.

Hildebrando Pascoal Nogueira Neto nasceu em 17 de janeiro de 1952 em Rio Branco, no Acre. Fez carreira na Polícia Militar e chegou a ser comandante.

Em 1994, elegeu-se deputado estadual pelo PFL e exerceu o mandato entre 1995 e 1999. Nas eleições de 1998, conquistou o cargo de deputado federal, mas não chegou a cumprir nem um ano do mandato.

Após diversas denúncias contra Hildebrando Pascoal na Justiça do Acre, o Congresso formou uma comissão parlamentar de inquérito em abril de 1999, chamada CPI do Narcotráfico.

A CPI e o Ministério Público investigavam a existência de um grupo de extermínio no Acre, com a participação de policiais, e que seria comandado por Hildebrando Pascoal. O grupo também era acusado de tráfico de drogas.

Fonte: G1

Deixe um comentário