Deputados da Amazônia defendem regularização de terras para estados

Questão foi apontada como ‘entrave’ para o desenvolvimento da região. Encontro do Parlamento Amazônico reuniu nove estados no Amapá.

Deputados de nove estados que compõem a Amazônia Legal apontaram a regularização de terras da União como uma das questões que limitam o crescimento e o desenvolvimento das federações, que estão entre as mais pobres do país. A burocracia para o repasse dessas áreas aos estados foi questionada durante encontro do Parlamento Amazônico que aconteceu nesta quinta-feira (24) na Assembleia Legislativa do Amapá (Alap).

O parlamento é uma entidade que reúne ao todo, 240 deputados que buscam o crescimento sustentável da região através de incentivos à agropecuária, agricultura e geração de empregos. Para as discussões foram convocados membros do Ministério da Agricultura, Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

“No Amapá temos problemas de transferência efetiva das nossas terras para o desenvolvimento dos negócios. Precisamos legalizar essas terras do estado diante da União. Não adianta o estado ser 90% preservado e a sua população não ter boas condições. Com a crise, os repasses federais estão diminuindo e temos que buscar soluções”, argumentou o deputado amapaense Antônio Furlan (PTB).

A parlamentar paraense Ana Cunha (PSDB) esclarece que o crescimento econômico da região está alinhado com a preservação ambiental, e uma possível distribuição de terras não seria fator responsável por reduzir áreas verdes.

“Queremos colaborar com o meio ambiente, mas não se pode falar nosso, se o povo não está sendo atendido de maneira respeitosa. A União tem que começar a olhar a região amazônica como um dos pilares da nação, coisa que não tem sido vista ao longo das décadas. Cada estado tem a sua questão, algumas são fundiárias, outras minerais e essa união se torna necessária”, reforçou a deputada.

O encontro no Amapá é o primeiro dos quatro programados para acontecer até o fim de 2015. Fazem parte do parlamento amazônico os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Por: John Pacheco
Fonte: G1

Deixe um comentário