Amazônia sai aliviada do leilão de exploração de petróleo e gás

É uma vitória de todos. A Amazônia se livrou de sofrer exploração para retirada de petróleo, gás natural e xisto de seu solo. Pelo menos por enquanto

Nessa quarta-feira (7 de outubro) aconteceu a 13a rodada do leilão que liberou áreas para exploração de petróleo e gás. Algumas estavam na região amazônica e muito próximas de unidades de conservação e com sobreposição a terras indígenas. Mas nenhum dos blocos localizados na bacia do Amazonas foi arrematado!

Sabemos dos perigos que perfurar o solo da maior floresta tropical do mundo pode trazer tanto para a proteção do meio ambiente, quanto para as populações que lá vivem. Por isso, na quinta-feira passada, o Greenpeace levou uma balsa com a mensagem “Deixe as fontes fósseis no chão” para o encontro dos rios Negro e Solimões. Nossa demanda era que o governo cancelasse o leilão e excluísse a Amazônia de qualquer outro no futuro. Pouco depois, o Ministério Público Federal de Manaus também pediu a exclusão das áreas da Amazônia do leilão. Respiramos aliviados.

Também havíamos denunciado que na região amazônica há relevantes reservas de gás de xisto, cuja extração depende do fracking – técnica reconhecidamente perigosa que traz sérias ameaças às populações e ao meio ambiente. Portanto, ao menos na 13ª rodada, a Amazônia ficou livre do fracking. As ameaças, no entanto, continuam em outras regiões. As bacias sedimentares do Recôncavo e da Parnaíba tiveram blocos arrematados nesse leilão. O governo prevê nelas a exploração de gás de xisto, em breve, e ainda irá conceder incentivos para as empresas que forem ainda mais fundo na perfuração do solo nessas bacias.

A visão que o governo brasileiro tem é obtusa. No Plano Decenal de Energia (PDE 2024), mais de 70% dos investimentos em energia nos próximos anos será em fontes fósseis (quase um trilhão de um total de R$ 1,4 trilhão), enquanto direciona poucos esforços e investimentos para as fontes renováveis.

Precisamos deixar claro para governo e empresas quais são os riscos associados à exploração de óleo e gás, especialmente em regiões de floresta, e também dos riscos e ameaças da exploração do xisto. O Brasil precisa caminhar em direção a um futuro 100% renovável.

 

Fonte: Greenpeace

Por: Thiago Almeida, da campanha de Clima e Energia do Greenpeace Brasil

Deixe um comentário