Desenho infantil protagonizado por negros é exibido em quilombo no Maranhão

Crianças do quilombo de Santa Joana assistem ao desenho colombiano Guilhermina e Candelário, protagonizado por negrosImagem da TV Brasil
Crianças do quilombo de Santa Joana assistem ao desenho colombiano Guilhermina e Candelário, protagonizado por negrosImagem da TV Brasil

O quilombo de Santa Joana, em Itapecuru Mirim, a 123 quilômetros de São Luís, recebeu neste fim de semana, uma exibição especial do desenho animado colombiano, transmitido pela TV Brasil, Guilhermina e Candelário.

Santa Joana é um dos mais de 500 quilombos em todo o estado do Maranhão e, como todos os outros, é um símbolo de resistência e de culto à ancestralidade africana. Lá, a história, os costumes e a religião são transmitidas de geração a geração.

A identificação das crianças quilombolas com os personagens do desenho foi imediata. A animação é protagonizada por dois irmãos negros, como tantos outros em Santa Joana. Eles compartilham suas experiências com o avô Justino, que representa a vivência e a sabedoria, tal como acontece nos quilombos, onde os mais velhos têm a responsabilidade de transmitir o conhecimento.

O líder da comunidade, o babalorixá João Batista, é um dos que representa esse papel. “Estamos mostrando para o Brasil e para o mundo que estamos aqui. Que existimos”, disse ao se referir à ausência do protagonismo negro na TV.

Mestre Bamba, responsável pelo projeto Mandigueiros do Amanhã, que reúne quase 300 crianças e adolescentes na primeira orquestra quilombola do estado, diz que o desenho reflete a realidade dos quilombos. “Guilhermina e Candelário retrata o povo negro e seus valores morais e éticos. Ele [o programa] faz com que a gente se veja na televisão”.

Ronilson Gomes, de 11 anos, assistia atentamente ao desenho e não pode deixar de compará-lo com o seu dia a dia. “É como eu e minha irmã: eles discutem, mas depois fica tudo bem”, analisa. Taynara dos Anjos Santos, também de 11 anos, gostou dos personagens: “são bonitos”.

A Secretária Nacional de Políticas para as Comunidades Tradicionais, do Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Gilvânia Maria da Silva, destaca a contribuição da TV pública na construção desse protagonismo. “Estamos em um país onde 50% da população á afrodescendente e quer se ver representada. A TV pública tem esse papel social”, acredita.

Exibição

Guilhermina e Candelário pode ser visto na TV Brasil, de segunda a sexta, na Hora da Criança, em dois horários, das 8h15 às 12h e das 12h30 às 17h; e aos sábados, das 8h15 às 12h. São vinte episódios, de 12 minutos cada. A animação é coproduzida pelo Señal Colombia e pela Fosfenos Media.

Por: Luanda Belo
Fonte: TV Brasil
Edição: Denise Griesinger

Deixe um comentário