Intolerância na universidade abre as discussões sobre diversidade e sociedades amazônicas

Desnaturalizar todas as formas de discriminação, sejam elas raciais, de gênero e sexualidade, destacando direitos socioambientais e de coletividades. Esse foi o norte da conferência de abertura proferida pela antropóloga Jane Beltrão no I Encontro Diversidade em Foco e I Simpósio Sociedades Amazônicas, Cultura e Ambiente, eventos integrados promovidos pelo Programa de Extensão Patrimônio Cultural na Amazônia (Pepca) e pelo Instituto de Ciências da Sociedade (ICS) da Ufopa, que ocorreu nesta segunda-feira, dia 9, no Auditório Wilson Fonseca, Unidade Rondon do Câmpus Santarém.

Docente dos programas de pós-graduação em Antropologia (PPGA) e em Direito (PPGD) da Universidade Federal do Pará (UFPA) e vice-presidente da Associação Brasileira de Antropologia (ABA), a antropóloga destacou questões de diversidade cultural que ainda estão em aberto. “As pessoas têm ideias, que não não adequadas, sobre as nossas formas de ver o mundo, e elas reproduzem isso, e ao reproduzir, elas reproduzem desrespeito; elas são intolerantes; elas não percebem que as formas diferenciadas que nós temos de agir, de falar, de comer, de cantar etc. devem ser respeitadas porque elas são vias legítimas de estar no mundo. Nós estamos no mundo porque temos cultura. Nós estamos no mundo porque pertencemos a um grupo social, e qualquer forma de estar no mundo é equivalente às demais. Portanto, não há hierarquia entre as culturas”, enfatizou a antropóloga, destacando que a diversidade sociocultural é um princípio impossível de ser desconhecido.

Diversidade na universidade

O debate em torno da defesa de uma sociedade e uma universidade que aceitem as diferenças que desvendam a diversidade cultural foi uma reivindicação dos estudantes indígenas e quilombolas da Ufopa, segundo Luciana Carvalho, docente da Ufopa e uma das organizadoras dos eventos integrados. “Da parte do ICS, houve uma motivação gerada pelos próprios alunos, antes do período da greve. Em suma, as reivindicações que eles colocavam eram em relação ao respeito à diversidade étnica, cultural e de gênero. Já da parte do programa de extensão, a nossa motivação foi o debate acerca dos direitos culturais que estão na base do patrimônio cultural”, lembra Carvalho.

Serviço: O evento conjunto I Encontro Diversidade em Foco e I Simpósio Sociedades Amazônicas, Cultura e Ambiente vai até o dia 13 de novembro, no Auditório Wilson Fonseca, Unidade Rondon, Câmpus Santarém da Ufopa.

Fonte: Ufopa

Deixe um comentário