Estudo alerta: espécies de árvores da Amazônia podem ser extintas

O estudo foi realizado por pesquisadores de 21 países

Mais da metade das espécies de árvores da Amazônia está sob ameaça. É o que revela um estudo realizado por 158 pesquisadores de 21 países. De acordo com a publicação, de 36% a 57% das 15 mil espécies arbóreas existentes na Amazônia podem ser extintas até 2050 em função do desmatamento e do uso indevido das terras.

O estudo, que em português tem o título “15 mil espécies de árvores amazônicas globalmente ameaçadas”, foi publicado no dia 20 de novembro, na revista Science Advances. De acordo com o pesquisador do Instituto de Pesquisas do Amapá (IEPA), Marcelo Carim, um dos autores da publicação, esse estudo é uma consequência do trabalho desenvolvido pelo mesmo grupo de pesquisadores em 2013.

Segundo Marcelo Carim, na ocasião, eles mapearam as dominâncias de determinadas espécies de árvores na região Amazônica. Os autores do estudo alertam que a construção de barragens, a mineração e as queimadas intensificadas pelo aquecimento global são grandes ameaças para as espécies. Por outro lado, a pesquisa sugere que áreas protegidas, como parques, reservas ambientais e terras indígenas, se bem gerenciados, podem trazer grandes benefícios para biodiversidade, conforme explica Marcelo Carim.

O Jornal da Amazônia 2ª edição desta segunda-feira (7) traz ainda informações sobre a ida do governador de Mato Grosso, Pedro Taques, para apresentar, na Conferência do Clima, a proposta de redução do desmatamento ilegal no estado até 2020. A meta matogrossense é barrar a retomada no desmatamento verificado no último ano, no Estado. Ainda na Conferência do Clima, em Paris, índios brasileiros vão receber, nesta segunda, o Prêmio Equador, das Nações Unidas. Esse prêmio reconhece a luta do povo munduruku na defesa de seu território.

Fonte: Rádio Nacional da Amazônia

Deixe um comentário