Ativistas pedem que empresa não participe da destruição do Tapajós

Dois representantes do povo Munduruku viajaram à Áustria para se manifestar ao lado de ativistas do Greenpeace contra empresa que pretende participar da construção de uma gigantesca hidrelétrica no rio Tapajós, no Pará

Cacique-geral Arnaldo Kaba Munduruku e Danicley de Aguiar, da Campanha da Amazônia do Greenpeace, seguram faixa em protesto à construção de hidrelétricas no rio Tapajós (Foto: ©Greenpeace)
Cacique-geral Arnaldo Kaba Munduruku e Danicley de Aguiar, da Campanha da Amazônia do Greenpeace, seguram faixa em protesto à construção de hidrelétricas no rio Tapajós (Foto: ©Greenpeace)

A réplica de uma barragem foi erguida na manhã de hoje em frente ao Congresso da cidade de Graz, na Áustria, onde acontece a reunião anual da Andritz, uma das maiores empresas fabricantes de equipamentos hidrelétricos. Junto com 50 ativistas de diversos países europeus, o cacique-geral Arnaldo Kabá e Rozeninho Saw, representantes do povo Munduruku, seguraram faixas com a mensagem: “Andritz, não mate o rio Tapajós”.

A manifestação é uma resposta ao interesse da empresa em participar da construção da hidrelétrica de São Luiz do Tapajós, no Pará. Caso viabilizada, a obra trará impactos irreversíveis para a biodiversidade da região e para o povo Munduruku, que depende do rio para sobreviver.

Para erguer a barragem no Tapajós, quase 400 km² de florestas teriam que ser derrubados. Animais como a onça, o boto cor-de-rosa e centenas de peixes e aves estariam em perigo, sem falar nas espécies já ameaçadas, e outras que são endêmicas da região (apenas encontradas ali). Especialistas consideram o local onde a hidrelétrica está prevista de biodiversidade excepcional até para padrões amazônicos.

“Nós viemos à Áustria para exigir que a Andritz respeite os direitos humanos. Nenhuma empresa deveria participar de projetos que podem destruir nossas terras e nossas florestas”, disse Arnaldo Kaba Munduruku, cacique-geral do povo. Se a hidrelétrica se tornar realidade, parte do território dos Munduruku, que vivem às margens do Tapajós há gerações, será alagado e eles também perderiam o acesso a lagos e ilhas, importantes locais de pesca.

“Se a Andritz participar desse projeto ela será uma das responsáveis pela destruição que ele vai causar no rio Tapajós, afetando uma parte importantíssima da floresta amazônica e prejudicando brutalmente os povos que vivem ali. A empresa precisa estar ao lado das pessoas e do Planeta, em vez de contribuir para repetir mais um desastre ambiental, social e econômico após Belo Monte. Ainda dá tempo de decidir de qual lado se posicionar. A escolha deve ser pela vida, e não pela destruição”, afirma Danicley de Aguiar, da Campanha da Amazônia do Greenpeace.

Essa não é a primeira vez que a Andritz está sendo criticada por seu envolvimento em empreendimentos ambientalmente nocivos. A hidrelétrica de Belo monte, marcada por denúncias de corrupção na Operação Lava-Jato, é apenas um desses exemplos. A obra deixou um rastro de destruição e caos em Altamira, no Pará, onde foi instalada. Na Turquia, a empresa esteve envolvida na construção da polêmica hidrelétrica de Ilisu, no rio Tigre. Foi ela quem assumiu o contrato de outras empresas depois que bancos e empresas se retiraram do projeto devido às catastróficas consequências ambientais e sociais.

Fonte: Greenpeace

Deixe um comentário