Designer recicla madeira para criar armações de óculos no Amazonas

Heraldo Galvão e sócio reaproveitam madeira que seria jogada fora. Projeto de pesquisa resultou em negócio próprio com premissa sustentável.

Pesquisa de designer amazonense se transformou em negócio próprio (Foto: Heraldo Galvão/ Divulgação )
Pesquisa de designer amazonense se transformou em negócio próprio (Foto: Heraldo Galvão/ Divulgação )

A “inquietação” em ter um par de óculos diferentes levou o designer amazonense Heraldo Galvão a criar um projeto que utilizasse outro tipo de material para criar armações de óculos – a madeira reciclada. A ideia, que a princípio era um projeto contemplado por edital de pesquisa, ganhou prêmios de empreendedorismo e resultou no próprio negócio: uma loja de armações e óculos de sol naturais e orgânicos que, segundo Heraldo, valorizam a aparência e a textura de cada material utilizado.

A expectativa é que sejam lançadas 12 coleções feitas com outros materiais além da madeira. Tudo com a mesma proposta: 100% natural e orgânica. “Não queremos reproduzir na madeira o que já é feito no plástico. Hoje nossa proposta é pensar e testar os mais diversos elementos naturais que podem virar armação de óculos”, explicou o fundador.

Ele, que sempre gostou do acessório, sentia falta de algo que não fosse plástico, metal ou acetato. Em 2009 quis apostar no bambu, mas deixou a ideia para trás. “Ainda bem que estava focado em outros projetos”, diz.

Em 2012 retornou ao projeto, mas desta vez queria algo que representasse a região. Se matriculou no curso de design em uma faculdade particular e lá conheceu o sócio, Eldher Nascimento. Foi no meio do processo de desenvolvimento do conceito da marca, protótipos e materiais que eles se depararam com o alto índice de madeira descartada de forma “indiscriminada”.

“Vimos muita madeira boa e nobre usada na construção civil e até em móveis jogado fora e pensamos como daríamos um fim mais nobre para a madeira”, contou. A ideia compartilhada nas redes sociais acelerou o processo e a dupla foi contemplada com uma bolsa integral no Programa Impulso.

A própria idealizadora do projeto entrou em contato. Com o programa, eles tiveram noção de empreendedorismo e tiveram a ajuda de um mentor e um coach. O projeto foi exposto em uma feira para empreendedores a a dupla foi premiada com o prêmio máximo.

Além do troféu, a dupla ganhou um curso no Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). O impacto já rendeu frutos. “Hoje alguns investidores tem nos procurado para conversar. Nós não queremos vender um mero óculos. Nossa proposta é entregar algo com uma identidade percebida pelos nossos clientes”, finalizou.

Fonte: G1

Deixe um comentário