Levantamento do MPF aponta riscos potenciais em barragens

O estudo revela a situação de barragens de mineração existente na Amazônia

O Jornal da Amazônia Segunda Edição desta terça-feira (08) traz ainda informações sobre o município amazonense de Lábrea, que fica a 703 quilômetros de Manaus, que é o que mais desmata a floresta amazônica no estado. Áreas de mata fechada tornaram-se grandes fazendas de criação de gado, principalmente na região sul, na divisa com Rondônia e o Acre.

Para conter o desmatamento, a Sema, Secretaria de Estado do Meio Ambiente e o Idam, Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas, fazem um trabalho para acelerar a inscrição de imóveis rurais no CAR, o Cadastro Ambiental Rural. Entre os dias 10 e 31 de outubro, foram feitos 80 cadastros, um aumento de 18% no período. Lábrea contabiliza, até o momento, 1740 inscrições. O Secretário Estadual de Meio Ambiente, Antônio Stroski, destaca que as ações no município são prioridade.

Por meio dos dados inseridos no CAR, é possível saber qual a situação socioeconômica de cada propriedade e aquelas com maior passivo ambiental, ou seja, com mais danos ao meio ambiente. O secretário ressalta outras vantagens da adesão ao cadastro. As ações para realização do CAR também estão sendo intensificadas em Boca do Acre, com foco na área da BR-319. O município está em segundo lugar na lista dos que mais desmatam no Amazonas. A expectativa da Sema é ter 80% dos imóveis rurais de Lábrea e de Boca do Acre inscritos no CAR até 2017.

Fonte: Jornal da Amazônia / EBC

Deixe um comentário