Agricultores de MT participam de laboratório para criar marca e sonham em vender produtos para todo o Brasil

Estimulando o desenvolvimento regional sustentável do Sul mato-grossense, a OIT ofereceu treinamentos para 120 trabalhadores de Poconé.

“Foi ótimo ver uma marca nascendo com todo mundo participando. A gente não tinha esse conhecimento e veio em boa hora.” Dalice Batista relata como o logotipo surgiu e elogia o processo criativo, pois os produtores agrícolas foram ouvidos. Articuladora social da Central de Associações da Agricultura Familiar e Economia Solidária do Município de Poconé (CAAFESP), Dalice acredita no potencial da venda dos produtos não apenas em Mato Grosso, mas pelo Brasil inteiro.

O entusiasmo se justifica pela visibilidade que Poconé alcançou com o fortalecimento promovido pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), que, até o momento, beneficiou diretamente 120 pessoas. Desde setembro do ano passado, devido à existência de uma unidade de processamento de verduras e frutas no município, a comunidade se aliou à OIT em duas frentes de trabalho. A primeira se refere ao apoio para a cessão formal do empreendimento, construído e inaugurado pelo governo federal em janeiro de 2016, para a CAAFESP – prevendo a gestão coletiva deste espaço.

A segunda frente abrange as capacitações para o manuseio do equipamento e também para o planejamento estratégico da CAAFESP, que reúne 800 famílias beneficiadas indiretamente pela iniciativa e que foram organizadas em núcleos produtivos, a partir dos debates sobre Economia Solidária. As famílias aprenderam conceitos e práticas que abordaram desde o trabalho em equipe até estratégias relevantes para a negociação dos seus produtos no mercado, o estabelecimento de metas e a mensuração de resultados.

Este processo empodera a comunidade, pois agora as associações podem vender os produtos direto para os consumidores finais, evitando a ação predatória de determinados intermediários. A transformação da realidade local, com o acesso a atividades de geração de renda, diminui as vulnerabilidades locais e gera o desenvolvimento regional do Sul de Mato Grosso. Organizações e empresas apoiam a iniciativa a partir da oferta de produtos e serviços sem custo, pois acreditam no protagonismo dos produtores agrícolas.

Branding Comunitário

A escuta foi essencial para a concepção de uma marca forte e adaptada às necessidades dos agricultores familiares. Durante o laboratório de criação, com metodologia desenvolvida pela consultora da OIT Simone Ponce, os participantes desenharam e fizeram colagens para representar os conceitos e os valores da associação e a mensagem que desejam transmitir para os consumidores. “Cada um ia lá na frente e mostrava como imaginava a marca, desenhada com pincel nas cartolinas. Assim, todo mundo participou ativamente”, contou Paulino Olímpio, responsável pela comercialização dos produtos da CAAFESP.

Valentim Martinotto, produtor local, enfatizou o envolvimento dos agricultores na criação. “Geralmente essas iniciativas vem de cima para baixo, tudo pronto para a gente usar. Desta vez, não. Participamos ativamente do processo de criação e o grupo se sentiu realmente incluído e valorizado.” O vídeo de registro do laboratório, gravado pela produtora Zoom Filmes, pode ser acessado aqui.

Segundo Simone, a construção da marca é mais um elemento inovador neste processo. Um logotipo forte, que representa o coletivo, potencializa a relação com o consumidor final e agrega valor aos produtos comercializados. A consultora da OIT contabiliza muitos resultados no trabalho com a CAAFESP, sendo o mais significativo “o visível empoderamento de uma comunidade que hoje acredita que pode e, por isso, faz”.

Em 14 de fevereiro, a agência de marketing Qbrand colocou no papel o conceito criado pela comunidade e apresentou a marca “Famílias da Terra” aos moradores de Poconé. “O pessoal vibrou quando a marca nova chegou, mas é apenas o início de um trabalho árduo para entregar qualidade e agregar valor aos nossos produtos”, reconhece Valentim.

Fonte: Forest Comunicação (Assessoria do Programa da OIT de Combate ao Trabalho Forçado)

Deixe um comentário