Comunidade de Itacoatiara-Mirim faz campanha para reconstruir sua maloca

O ISA está apoiando a campanha de reforma da Maloca Casa de Conhecimento do Mestre Luis Baniwa e convida você a colaborar também. Saiba como

Dona Luzia e sr. Luiz em festa na maloca|Denis Schneider

Símbolo da valorização cultural de povos indígenas que vivem próximos à cidade de São Gabriel da Cachoeira (AM), noroeste amazônico, a maloca baniwa “Casa de Conhecimento”, da comunidade de Itacotiara-Mirim, completou 10 anos e iniciou uma campanha para sua reconstrução.  Liderada por Luiz Laureano, Baniwa do clã Hohodene, vem motivando a comunidade a participar de atividades culturais e é um contraponto às situações de risco às quais os jovens indígenas estão expostos na cidade e ao esquecimento de práticas ancestrais da região do Rio Negro.

A maloca recebe visitantes, realiza festas com instrumentos musicais como o japurutu (flauta comprida), jabuti (percussão) e carriçu (flauta pan), reúne artesãos para a produção principalmente de cestarias e é um espaço de aprendizagem e trocas de conhecimentos.  Numa das cidades brasileiras com maior proporção de população indígena, aproximadamente 76% (IBGE, 2010), só há duas malocas, a de Itacoatiara e a da Federação das Organizações Indígena do Rio Negro (Foirn).

Sua construção foi iniciada em 2005 e concluída em 2007.  Após manutenções feitas nestes 10 anos, a reforma da maloca é urgente.  A palha bussu que cobre o telhado, começa a quebrar, fazendo buracos no teto.  Esta palha, ou a de caraná que são tradicionalmente usadas nas malocas rionegrinas não estão disponíveis próximas à comunidade sendo necessário viajar longas distâncias para sua retirada.

Atualmente, os esteios que sustentam a estrutura estão comidos por cupins, ameaçando desabar.  Um dos travessões cair, interditando uma parte da maloca.  O piso batido de terra está com buracos devido às gotas de chuva, prejudicando a passada durante as danças.  A estrutura da maloca atualmente está toda improvisada e mestre Luiz e Luzia, que moravam na maloca junto com filhos e netos tiveram que se mudar para uma casa na comunidade devido ao risco de a maloca desabar.

Após tentativas de levantar recursos através de editais de incentivo às culturas tradicionais e junto a possíveis parceiros, a comunidade realizou uma série de conversas com integrantes do ISA e decidiu-se lançar uma campanha para sua reconstrução.

Luzia Inácia, esposa de Luiz, criou uma conta bancária para esse fim e foi elaborada uma lista de pessoas que já passaram pela maloca e registraram seus contatos.  Desde o início de maio, estão circulando um email (malocaitacoatiara@gmail.com), uma página no Facebook e uma carta pedindo apoio junto ao vídeo.

Quase dois meses depois, foram arrecadados 14% da meta que é de R$ 50 mil. Este valor inclui a retirada e transporte do caraná e da madeira além da alimentação para os mutirões de construção e será gerenciado diretamente pelo casal Luiz e Luzia.

O ISA está apoiando a campanha de reforma da Maloca Casa de Conhecimento do Mestre Luis Baniwa e convida todos a fazer o mesmo. Saiba mais sobre a maloca acessando o Dossiê Podáali e a Maloca Casa de Conhecimento. Entre em contato via email ou Facebook da campanha.

Por: Renato Martelli
Fonte: ISA

Deixe um comentário